Stress – “Mate o Réu” (Ou Seria… Mate a Memória e Esqueça os Heróis?)

Compartilhe!

Barata Cichetto


Injustiças existem, falta de consideração e de consagração, mais ainda. Mas quando falamos da banda Stress, essas afirmações são meras redundâncias. Todos os brutamontes de calça justa e coturnos conhecem todos os estandartes do Metal Extremo. Mas quantos deles escutaram falar dessa banda? Pouquíssimos, garanto. Afinal esta banda chega deste um local muito longínquo, inóspito quanto hospitaleiro, selvagem quanto carinhoso, quente quanto o Inferno… Bem, de onde seria esta banda, que é considerada a primeira banda de Thrash Metal do mundo? Da Finlândia, da Escandinávia? De Warszawa? Quase isso… A banda Stress foi criada bem no início dos amargos anos 80, exatamente em Belém, no Pará… Brasil???? Isso, Brasil, e com “s”… Aqui mesmo!

No final dos anos 70, Roosevelt Bala – Voz e Baixo, André Chamon – Bateria, Pedro Valente, – Guitarra e Leonardo Renda – Teclado, tinham uma banda de amigos apreciadores de Judas Priest e Motörhead. Mas não era apenas isso. Eles queriam tocar mais rápido e mais pesado que seus ídolos.

Com alguns trocados no bolso a galera se mandou para o Rio de Janeiro a fim de registrar em estúdio suas composições. A grana era curta e a banda foi obrigada a cometer um pequeno calote com o estúdio, mas o resultado foi o primeiro disco da banda, chamado simplesmente “Stress 1”, lançado em agosto de 82, com uma tiragem “absurda” de 1.000 cópias. O som extremamente sujo e a batida veloz da bateria causaram espanto e admiração na roqueirada da época. Ninguém tinha feito algo parecido até então. A intenção era apenas fazer algo que agradasse a banda. Por falta de uma produção caprichada a banda compensa o disco com riffs matadores e letras típicas da geração auto-indulgente dos anos 80. Músicas como “Oráculo de Judas”, “Mate o Réu” e “Sodoma e Gomorra”, “fizeram a cabeça” de muito “metaleiro da época”.

Com algumas cópias de seu trabalho, o Stress desembarca novamente no Rio de Janeiro e é convidada a participar e inúmeras apresentações no lendário “Circo Voador”. A banda se torna uma referência única a todas as bandas que surgiam com o intuito de tocar Rock pesado e entre as bandas que abriram as apresentações do Stress no Circo estava uma banda que sempre citou a banda paraense como influencia e que tinha dois irmãos, na época com menos de 20 anos de idade, chamada Sepultura.

Em 1985, o Stress lança seu segundo disco, “Flor Atômica” e somente em 1992 lança seu derradeiro trabalho, “Stress III”.

Atualmente, a banda ainda se apresenta esporadicamente em eventos em Belém, pois seus membros têm outras ocupações. Roosevelt Bala tem uma banda chamada Zona Rural. Nos últimos 10 ou mais anos, a banda se apresentou apenas 3 vezes em Belém, sempre com um público enorme.

Agora, o mais interessante e grande exemplo de que nós brasileiros nunca reconhecemos o que é nosso e sempre valorizamos sempre mais “a galinha do vizinho”: o selo alemão Die Irae lançou em 2004 o primeiro disco do Stress, com 1.000 cópias em vinil e 1.500 em CD, acompanhado de um caprichado encarte com letras e história completa da banda e com um detalhe maior: em lojas nas Alemanha, Estados Unidos e Japão, o disco de estréia dessa banda que é orgulho dos paraenses e deveria sem demora ser de todos os brasileiros trás estampado na capa: “The first thrash metal band in the world”.

22/06/2004

Abaixo E-Mail de Agradecimento de Roosevelt Bala

—– Original Message —–
From: roosevelt bala
To: [email protected]
Sent: Saturday, February 05, 2005 11:42 AM
Subject: Agradecimento

Saudações, Luiz Carlos “Barata” Cichetto!

Gostaria de parabenizá-lo pelo site e agradecer pela matéria escrita sobre o Stress. São raros os jornalistas especializados que escrevem com tanta convicção, principalmente quando ratificam que fomos os primeiros. Alguns ainda duvidam, outros não gostam de admitir que, oriundos de Belém do Pará, saimos na frente das bandas dos grandes centros. O que se vê na grande maioria das matérias falando sobre o o metal brasileiro é uma atenção toda especial às bandas do Sul , Sudeste (especialmente São Paulo) e uma ou duas linhas (no máximo) sobre quem começou o movimento .
Obrigado pela lembrança e, de certa forma, pela justiça em restabelecer a verdade histórica dos fatos.

Um “pesado” abraço…
Roosevelt Bala ( vocal e baixo do Stress)

– Texto escrito em 2004, atualizado em 2005 com o email do Bala. Na época foi publicado no site que eu criara em 1997 (A Barata) e tinha grande abrangência. Hoje… Bem, gostaria de ter coisas boas a atualizar, mas a verdade é que as honras que deveriam ser dadas à bandas como Stress estão cada vez mais longe de se concretizarem. Este Brasil, que não respeita seus mais sólidos artistas, pioneiros, qualificados, que fizeram história, e valoriza apenas os apadrinhados do sistema ou àqueles que servem aos seus mais sórdidos propósitos de estupidificação da sociedade para assim dominá-los mais facilmente. Encontrei com o Bala há mais de dez anos, no Super Peso Brasil, em 09 de Novembro de 2013, onde o Stress foi uma das (mais) merecidas estrelas.
Facebook do Bala: https://www.facebook.com/roosevelt.bala

Super Peso Brasil, em 09 de Novembro de 2013

Barata Cichetto, 1958, Araraquara – SP, é poeta, escritor. Criador e Editor do Agulha.xyz

0 0 Votos
Avaliação do Artigo
Assinar
Notificar:
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários