Poesia: Charles Burck – [Trazem-me os sentidos que de longe vivem]

Trazem-me os sentidos que de longe vivem, 

O do exercício das palavras

Como flores vivas, carne, sagradas minúcia que revivem a vida.

Mas como dizer da dança

Se os corpos não juntam, os passos não incitam os pés, 

Se a luz não vinga e não aquece corpos frios? 

O riso se verga na errância e perde-se nos lábios da tristeza

Viram metáforas desconexas da realidade de levar alegrias, 

Há música, eu sei dos teus seios e do desejo dos amantes, 

A vertigem que parte em busca de ti, 

A mulher que se deita entre a clausura e a solidão

E se cobre com a minha saudade e me chama em sussurros 

E espera, enquanto imagina que o amor é cego, mas intuirá o caminho da sua cama. 

Que a saudade sendo generosa, a  procurará, e preencherá os seus vazio da alma.

Charles Burck
Poeta e Escritor
Rio de Janeiro – RJ
Charles Burck heterônimo de Wilson Costa, autor romancista. Poeta e cronista. Web designer, capista. Livros: O grito, uma história de amor e preconceito; Enquanto te espero; Angustura, nos confins da Solidão, Causos Complicado; entre outros.

 
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Assinar
Notificar
guest


Atenção: O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais ao autor, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

 

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Site Criado Por Barata Cichetto - (16) 99248-0091