O causo da gente liberta

Charles Burck

Eu não gosto de vento que venta por trás e nos pega no cangote, parece bode no cio e manga chupada no caroço, 

Eu prefiro ser o vento solto, 

Eu caminhei mil léguas pelos agrestes do sertão, via de tudo um pouco e pouco de coisa muita, 

Vi o andarilho curtindo couro de onça vesga, deu sorte ele que ela ao dar o bote, errou, porque via dois sujeitos, um onde tinha um e outro onde nada tinha

Vi muito calango de metro e meio e caatinga espirrando rapé, pé de chulé e bicho solto, gambá catingueiro não precisa de toca, cheio ruim se espalha melhor ao vento, muito cuidado onde pisa, cobra morta ainda guarda veneno, boi solto se espeta no mato, mas cuida de não morrer no cutelo do dono, 

Assim assomo mundo inteiro, sem medo de nada. Só temi vira lata, cachorro louco no meio da estrada, pois não era cão que nada, era homem virado lobisomem. Corri primeiro, soube da história toda depois, 

Na birosca do Torto, comi torresmo e bebi pinga de jatobá, mas ainda estou a espirrar o pelo do “coisa” sem nome. 

Vira e mexe me dou com essas boas novas, fiz amigos e inimigos tiro da conta, alguns fizeram feito vento, quiseram me pegar desprevenido, mas o bom cabrito não berra e está sempre atento ao bote do lobo. 

Mandinga feita não corre boato, chega com cuidados e de surpresas, se eu tenho as costas largas uso riscados de novena de Santa Madalena, a mãe maior dos que caminham pelos matos. 

Canto nos caminhos e nos caminhos faço amigos, mas não gosto de nada que vem por trás, raramente é coisa boa, notícia ruim, queixas de gente escabreada, tiro de garrucha, e coisa de queimar a rosca. 

Bem, vou dormir cedo a lua quando vem nos quer deitado, a estrada é longa, mas a vida é boa para quem não tem cabrestos, quando a estrada não presta, a gente voa.

 
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Assinar
Notificar
guest


Atenção: O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais ao autor, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

 

1 Comentário
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários
Isabeau dos Anjos

Que delicia de ler!! dá uma vontade de sentar lado a lado, num banco de madeira ao pé duma fogueira em noite de lua, com esse caboclo que não gosta de nada que venha por trás e ter uma prosa sobre esse sertão.

Site Criado Por Barata Cichetto - (16) 99248-0091