[Morra na hora exata]

Lu Genez


Morra na hora exata, nem um segundo antes, nem um segundo depois
Que é pra não atrapalhar o gozo da vizinha
O sexo é sagrado, já morrer, nem tanto
Que evento é esse, que nos empurra goela abaixo nossa finitude
O decrépito da nossa efemeridade,
De que não se há escapatória
Nem a santidade salva.

Morra, só morra

Sem alardes ou barbitúricos
Não dê aos crédulos, motivos de indignação,
Nem aos céticos a dúvida
Sobre o existir.
Morra corajosamente, ressignifique  seus hábitos,
Ria escandalosamente, desavergonhadamente, se possível
Com o fato inédito do previsível
Complete a linha
Sem os  arrependimentos do script.

A vida exaurida,
Consumida até a última gota,
O suor salgado espalhado sobre a pele,
Diz sobre as lutas
As batalhas de Hércules,
Em doze penitências
Para se tornar um imortal de face,
Quando do espirito, não há mais pertencimento.
Vende-se a escrita,
O ato falho
O hiato.



“Alguns recusam o empréstimo da vida para evitar o débito da morte”.
IrvinYalom – De frente para o sol

 
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Assinar
Notificar
guest


Atenção: O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais ao autor, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

 

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Site Criado Por Barata Cichetto - (16) 99248-0091