Poesia: Lu Genez – [Já reguei mortos distraídos]

Lu Genez


distraídos em um canteiro central
Fugiam do atropelamento eminente,
E dos motoristas de um olho só,
Que mal sabiam a diferença entre os ventos.

Diziam nascer de outro mundo
entre um alvoroço de rezas
Contavam a indiferença predileta dos mares
Em ondas de sal e sol.

Conjugavam poesias como se fossem verbos de ligação
Diziam que o amor não nasce do concreto dos dias
Pois há de se ter um objeto direto,
De admiração fluídica
Como um gozo escorrido entre as pernas.

Recolhi pingos de chuvas desandadas
Um desague das nuvens pálidas
Sobre os corpos nus amontoados.
Faziam amor loucamente
Um banquete farto de dedos e dentes
De comidas a boca e aos meios
Dos orgasmos fatais e finais.

Abençoado seja o cio dos animais de sangue quente.
As águas caídas respingam frio.

Lu Genez

 

28\Maio\2020

 
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Assinar
Notificar
guest


Atenção: O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais ao autor, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

 

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Site Criado Por Barata Cichetto - (16) 99248-0091