Címbalo

Barata Cichetto


“A apreensão rasteja / Como um trem, pela sua espinha / Será que a corda alcançará o fim / Será que o verso final rimará?” – Pink Floyd – “Cymbaline”

Nem pense em adequar meus atos de não existir

Àquilo que possas chamar de fatos de não resistir

Procuro as rimas dos meus próximos versos rudes

E entre cismas e estimas, um universo de atitudes.

 

É no perverso que resido, meu valor a perversão

Pois se há na Terra algo que não tenha inversão

É chamado de morte ou até mesmo de teimosia

Pois não há no mundo coisa mais tola que poesia.

 

Desliza um trem pela minha coluna, metal frio

Uma sensação de morte, e de desejo o calafrio

Não há estação que não paguemos a passagem

E o trem segue vazio em direção a sua garagem.

 

Junte meus pedaços jogados à beira da linha

A cabeça nos trilhos, era tudo o que eu tinha

Nos alto-falantes da estação toca a musica alta

É certo que de mim nenhum filho sente falta.

 

24/06/2015

 
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Assinar
Notificar
guest


Atenção: O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais ao autor, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

 

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Site Criado Por Barata Cichetto - (16) 99248-0091