Aos Poetas Prostitutos

Barata Cichetto


Não acredito em putas que não gostam de dinheiro,

E em poetas que chamam aos outros de companheiro.

As que beijam na boca são tão putas quanto bardos,

Que beijam sacos de políticos, sujos sapos barbados.

 

Não há lugar no puteiro para poetas ideológicos,

Que chupam por dinheiro aos caralhos teológicos.

Cheiram sangue e sugam até as almas dos vampiros,

Depois hasteiam bandeiras nos seus últimos suspiros.

 

Estou à mercê da corja, malditos ratos do desgosto,

Horda sedenta que roeu toda a carne do meu rosto.

Apagam meu desejo, e matam a míngua a minha lira,

Cortam-me, mas jamais tirarão da minha língua a ira.

 

Aos poetas prostitutos deixo de herança meu asco,

Mas a minha cabeça jamais penderá a seu carrasco.

E no último sarau, quando saírem as ultimas putas,

Perceberão que foi em vão o sangue das suas lutas.

 

22/09/2019

 
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Assinar
Notificar
guest


Atenção: O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais ao autor, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

 

2 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários
Lu Genez

uau… como quase tudo que já li… tem força e é rebelde. Não se contém. é extraordinário

Site Criado Por Barata Cichetto - (16) 99248-0091