[A foto da estante]

Lu Genez


A foto da estante estática errática platônica
Não me reconheço nela
Nem em nenhum beiral estendido sob o sol.
O cupim já lhes tomaram a carne.
São os olhos tão diferentes dos de ontem
Estão esquecidos e amanhecidos nos sonhos,
Embolorados amarelados apagados pelo tempo.
Tento buscar a memória do negativo
Que me é traiçoeira enganosa libidinosa
Que é a pá que enterra a terra neste buraco.
A moldura desgastada cafona até
Combinava com o mundo
Sem estreias amores sem dores.
Um plácido domingo mentiroso
Em que não amanheci.
A foto em preto e branco e cinzas
Tão cruas
As feridas custam a cicatrizar
Um esmalte para dar brilho,
Na rotina no osso na pele no sangue,
Saudade espera demora.
Todas as peças estão quebradas
Não se encaixam na gaveta
Não se desfaça da chave
Me perdi entre falsos abraços
em beijos rasos.
Preciso saber dos meus olhos.

 
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Assinar
Notificar
guest


Atenção: O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais ao autor, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

 

2 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários
Lu Genez

obrigada pela leitura, pela presença.

Francisco Cavalcante

Lindo texto ao qual retrata o estático de uma foto na estante, na multi faceta da fotografia com seus sobrados ensolarados. A acurada visão permeia não só a estática cena mais vai além dos olhos e da desaparição do tempo. Descobrindo outro presente ali retratado e o próprio imergir nesse tempo que agora já se gastou com os anos.

Site Criado Por Barata Cichetto - (16) 99248-0091