[A cidade parece doente]

Lu Genez


A cidade parece doente
Nenhuma nuance natural de azul
O céu é de um cinza macilento,
Talvez um tanto verde, como o limo que escorre das paredes dos prédios.
Eles tampam a vista daqui de baixo,
Um tanto melhor, assim desvia-se os olhos para os outros trechos da solidão.

Nesse caminho, não se veem flores
Talvez a água daqui, não lhe seja potável às pétalas
Talvez tenha o mesmo gosto salobre do último beijo.
Os lábios secos e frios
Eles trancaram a língua dentro da boca que um dia, me bebeu.

Nessa cidade esverdeada, cinzenta, danificada
De prédios altos, tortos, torpes,
Os ares já deixaram de ser brisa
Não sabem da maciez dos dedos
Ventam ásperos, trazendo cheiros ruins
Um som de desespero a deriva dos sentidos,
As dúvidas todas, presas ao varal
Como se não houvesse espanto
Em estender roupas sujas dos amores
Que nunca ficaram.

Quando tudo se está perdido,
Nenhuma cidade é ninho.

 15\Jun\2020

 
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Assinar
Notificar
guest


Atenção: O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais ao autor, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

 

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Site Criado Por Barata Cichetto - (16) 99248-0091