Barata Cichetto – Memórias Arrependidas de Um Poeta Sem Pudor

Compartilhe!

SINOPSE:

Comecei a escrever histórias e poesias por volta dos 15 anos de idade, ainda nos anos 1970, mas somente agora, aos 65, posso me considerar poeta escritor. E embora tenha escrito três romances, várias centenas de crônicas e contos, foi na poesia que sempre me encontrei. Milhares foram escritas e publicados em 13 livros auto editados e financiados, tendo sido a razão da criação de uma editora artesanal em 2010, que durou até 2020, quando passei a publicar pela UICLAP.

A popularização da Internet no final do século XX, que ofereceu maiores possiblidades às artes, foi também o início do fim para a poesia, da forma como verdadeiros apreciadores a veem e sentem. As páginas frias das telas de computadores e celulares não carregam sua essência. A poesia é para o papel e para o “ao vivo”, ou seja, tem que ser tocável, cheirável, ouvida, vista, sentida; seja pela leitura no papel, com seus cheiros e texturas, quanto pela entonação, respiração, suores, olhares do poeta quando a interpreta.

Por esse motivo, fiz uma seleção de poesias para uma antologia com toda a poesia que eu pude carregar, desde meados dos anos 1970 até 2023. O critério foi pessoal: os textos que mais gostei de escrever e de ler, e os que considero de melhor “qualidade”. Assim nasceu “Memórias Arrependidas de Um Poeta Sem Pudor”, com 750 páginas e quase 600 textos, incluindo os textos de três óperas-rock que lancei, em parceria com o Maestro Amyr Cantúsio Jr., entre 2010 e 2016. Esta edição inclui ainda alguns inéditos, escritos em 2024.

Quanto ao teor da minha obra, não esperem que contenha poesia fácil e digerível, como quem come um doce, mas uma poesia crua, visceral, cheia de palavrões e de jargões das ruas. Falo muito de morte, de sexo e de outros tabus, em poesias invariavelmente rimadas e metrificadas. Nunca escrevi com mel e purpurina, mas com sangue e esperma. Desde a adolescência sempre foi assim.

Acredito na honestidade da poesia, e na verdade que ela necessita, pois sempre deve refletir a vida, o pensamento e o sentimento do autor. Sem qualquer censura, que mata a alma de artista. Então, assim é minha obra, como é comum se dizer hoje: politicamente incorreta.

AVALIAÇÃO
Genecy de Souza Silva
Avaliação na Plataforma UICLAP

Adquiri o livro Memórias Arrependidas de Um Poeta Sem Pudor já sabendo de seu conteúdo. O mais recente lançamento de Barata Cichetto é uma robusta antologia de uma aventura literária que parte de 1978 e vai até este confuso ano de 2024. O termo “aventura” está muito longe de uma conotação pejorativa, e sim, associado à tenacidade com que o Filósofo de Pés Sujos defende sua arte, em meio a toda sorte de adversidades, desde muito jovem, tendo como instrumento uma modesta máquina de escrever portátil e um mimeógrafo, por meio do qual produzia as cópias que eram vendidas aos interessados, qua já eram poucos naquele tempo.

Memórias Arrependidas é um livro denso, fisicamente pesado, instigante, atrevido, imoral para uns, pornográfico para outros e, o que é mais grave: politicamente incorreto, o que, nestes tempos de Idade Média 2.0 e de atmosfera orwelliana, sujeita toda e qualquer forma de rebeldia ao julgamento dos juízes da internet, esses iluminados que se acham guardiões da verdade absoluta, a qual é modificada de hora em hora.

É em meio a esse universo de censura alexadrina e, claro, de escritores, artistas e intelectuais despudoradamente servis, que trocam sua honra por favores do Poder, que os poemas, contos, (des)aforismos, ensaios, crônicas e visões de mundo de Barata Cichetto teimam em resistir.

Por fim, para quem ainda não conhece a obra (ou parte dela) de Barata Cichetto publicada nesses quase 50 anos, em livros difíceis de serem encontrados, por serem de feitura artesanal e, portanto, limitada, Memórias Arrependidas é a chance de se conhecer o trabalho de um escritor que nunca fez questão de ser agraciado com o mecenato de governos, tampouco de ser paparicado nas FLIPs da vida.

Independência é isso.

28/01/2024

Memórias Arrependidas de Um Poeta Sem Pudor
Antologia Poética, de 1978 a 2023
Barata Cichetto
Poesia
UICLAP – 2024
748 Páginas
16,2 × 22,9 × 3,84 cm

5 1 Vote
Avaliação do Artigo
Assinar
Notificar:
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários