Lu Genez – [Os homens ditam seus próprios evangelhos]

Lu Genez


Os homens ditam seus próprios evangelhos
Sob o olhar nosso de cada dia
Escrevem sobre pecados e virtudes na mesma linha,
Como se fossem partes simétricas de um simples avesso
Céu e inferno,
Sina.

Misturam rezas e credos
Acreditam em milagres e punições
Se eximem da responsabilidade
Como se a liberdade a excluísse
E a todos fosse dado o direito de estarem nus.
São os espelhos que dobram o caminho.

E já não se basta recriar a estória
Subverter a memória
Ainda se precisa de um culpado.
De mãos a se lavar em bacias de prata,
Respingar os nós dos acasos.

O muro das omissões, de quem a covardia já tomou o ser.
Não há pureza, além da retina.

E ao prazer do autor, o evangelho riscado
Com suor, sangue e o leite coalhado das tetas reluzentes
Seremos todos, anjos e demônios
Como bem lhe couber a pena.

Mal sabem os olhos, que não é sobre si mesmo
O fiel julgamento
São os outros, sobre quem sou juiz,
Como se em minha inescrupulosa alma, só houvesse purificação.

Maio 20

Lu Genez, Curitiba, PR, é poeta escritora, e Livre Pensadora.

Compartilhe!
Assinar
Notificar:
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Conteúdo Protegido. Cópia Proibida!