Lu Genez – [As coisas são menos simples de perto]

Lu Genez


As coisas são menos simples de perto
Microscópios escancaram a vida por demais.
Reticências, e assombros em plaquetas estéreis
Nada se perde ao que está disposto
Nas formas disformes de um dia.

Todo o olho nu carrega sua obscenidade
Ninguém foge da cor da Iris,
Por mais que os vidros, contêm diferente.
Nenhuma estória tem uma só partida.
São tantos os desalinhos cerzidos
Em pobres pedaços de pano.

Na Alameda central, os vultos sangram
Sem as esperas de um bom socorro.
Estamos todos, num perdido.
Nem as horas sabem mais de nós.

As ruas nem sempre se tocam,
Morrem em becos sem saída
Onde nada é bem-vindo.
Acabam-se em fins, somente.

Alguns cortes custam a cicatrizar
Ossos tendem a se quebrar sob a pressão do asfalto,
Enquanto as palavras voam desaforadas
Ninguém mais sabe amanhecer.

Tudo é diferente quando se olha.

12/07/20

Lu Genez, Curitiba, PR, é poeta escritora, e Livre Pensadora.

Compartilhe!
Assinar
Notificar:
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Conteúdo Protegido. Cópia Proibida!