Lu Genez – [Aprecio observar as flores da estação]

Lu Genez


Aprecio observar as flores da estação, desistindo de qualquer tentativa inútil de sobrevivência, numa manhã de domingo.
Assim se apressa o caminho, se risca o atalho,
O ato falho, o verbo inútil.

A esquina é logo ali,
só um inaudito, dobrar dos pés.

No final, todos morremos sós e nus,
Sem pétalas a se cobrir as genitálias
mesmo que nos enterrem com roupas de gala,
Estaremos indiscutivelmente nus.

Gosto de ver sarjetas sujas, espelhos d’água, em dias de chuva fulgurante
Devolvem o lixo que se tenta esconder da vida,
Nas beiradas do asfalto, no limite do cinza.

A podre hipocrisia beneficente, que serve só aos lados daqui,
E aos outros, dada a cegueira da indiferença canibal.
Arrancam-lhes, os olhos e o ossos que ainda prestam.

Nada a se acrescentar sobre o inviolável,
Que nos valha em ato de autodefesa.

Há de se ouvir mentiras e enredos torpes,
Descrevendo a vida dos santos homens mortos,
Como se o ontem vivido, fosse subvertido na sua semente
E as falsas falésias, e as inúteis falácias,
tentando enganar a vida, tentando fugir da morte.

no final, só a dança definitiva da desistência do corpo,
E, para os que acreditam, os acertos fatais.

Dá para se morrer várias vezes num dia, entre hoje e amanhã, também.
É que prefiro me vestir da pele, habitar-me ao fim.

Para que se serve o feixe de linhas, no sólido embaraço de nós?
Se o que se resta é a nudez poeirenta e única.

Jul 21

Lu Genez, Curitiba, PR, é poeta escritora, e Livre Pensadora.

Compartilhe!
Assinar
Notificar:
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Conteúdo Protegido. Cópia Proibida!