Diário de Bordo, Data Estelar: 21 de Novembro de 2002

Compartilhe!

Barata Cichetto


Quarta-feira, 20 de novembro. saímos de Sampa por volta das 23:30 em direção á cidade de São José do Rio Preto. A previsão era de cerca de seis horas e pouco de viagem. A estrada, Anhanguera é um tapete, embora seja irritante a quantidade de pedágios que temos que pagar até chegar a cidade.

O “Azulão” cortou os mais de 450 quilômetros tranqüilo nas mãos do “Alemão” e chegamos á cidade junto com o sol. No ponto marcado, Juninho, velho amigo da Patrulha nos esperava junto com Cristiano, da rádio comunitária local, que era quem estava promovendo o “show”.

Depois de um pequeno descanso no Hotel, fomos conhecer o bar que é novo, pouco mais de três semanas e que teve na última o Velhas Virgens e na próxima terá o Shaman. Um aconchegante mini-centro cultural, o bar, de nome Cultural Bar, tem apenas um problema, ao menos pra galera que tem que carregar os equipamentos: fica no terceiro andar.

Montados os equipamentos a banda foi passar o som, enquanto eu conversava com Rodrigo, dono do bar, e sua simpática namorada, Luciana. Eles falam sobre sua proposta para o local, contam as histórias do tradicional prédio no centro da cidade. Tudo pronto. Retornamos ao hotel e depois de poucas horas de merecido descanso retornamos ao Bar.

O DJ Buba, velho rockeiro da cidade manda o som. A abertura do show fica por conta da competente banda Hare, tendo o citado Juninho na batera, Renato na guitarra e Fabinho no baixo. Alguns covers e músicas próprias da banda, numa apresentação muito competente e profissional.

Por volta da uma da manhã, a Patrulha entra no palco. As mesas estão cheias, a galera começa a se aproximar do palco e “Não Tenha Medo”, como sempre, abre a apresentação. O calor na cidade, que já é intenso e aumenta substancialmente quando a banda detona porradas sonoras como “Festa do Rock”, “Bomba” e “Robot”. Alta temperatura, alta-tensão. Eletricidade no ar. Uma garota de cabelos vermelhos e óculos de aros pretos, na frente do palco, agita o tempo todo. O show termina com “Columbia” e depois de bebericarmos algo, começamos a maratona de desmontar a aparelhagem e carregar pro Azulão, que nos espera na praça. Dentro de poucas horas ele irá nos levar para mais uma etapa. Nosso próximo destino: Catanduva, cerca de 50 quilômetros.

11/21/2002

Entre final de 2001 e até meados de 2004, acompanhei a banda Patrulha do Espaço, em suas turnês, como manager, e fora muitas outras atividades, como ter criado a idéia, nome e feito a arte (imitando um compacto de vinil) do disco “.ComPacto”. Durante uma boa parte desse tempo eu escrevia esses “Diário de Bordo”, que eram publicados no meu site “A Barata”. Eles 2012, eles foram reunidos num livro com tudo que escrevi sobre a banda, chamado “Patrulha do Espaço no Planeta Rock”.

Do Livro “Patrulha do Espaço no Planeta Rock“, Barata Cichetto, editor’A Barata Artesanal, 2013 – Esgotado

Barata Cichetto, 1958, Araraquara – SP, é poeta, escritor. Criador e Editor do Agulha.xyz e  Livre Pensador.

Assinar
Notificar:
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Conteúdo Protegido. Cópia Proibida!