A "Pindérica Insolência Antissocial" Definida Pelo Chat GPT e "Exexutada" Pela Leonardo AI

Diálogos Impertinentes com a P.I.A. — Pindérica Insolência Antissocial – I

Barata Cichetto

Há algumas semanas publiquei um texto em que eu utilizava a Inteligência Artificial para contrapor a um artigo publicado pelo Áureo Alessandri. Ali coloquei minhas desconfianças com relação a “ela”, questionei muitas coisas. E depois veio outro e mais outro. Como já escrevi, tenho utilizado a tal da “Inteligência” para coisas muito específicas, como gerar TAGs para publicações do Agulha, ou ilustrações, por não ter a mão um ilustrador e não usar fotos que tenham direitos autorais, ou que esses não estejam explícitos para fins dos devidos créditos.

Mesmo assim, como um Livre Pensador, acompanho matérias que saem na Internet, tanto colocando a tal da dona IA como a salvação do Planeta, futuro abençoado, como as que “a” colocam como o maior perigo para a Humanidade como conhecemos. Confesso que ainda não me convenci de nenhuma das duas coisas, e quanto à mim, decerto que jamais delegaria a ela a coisa mais preciosa, que mal ou bem, representa minha essência como ser humano: escrever.

Diante disso, e sabendo que um amigo artista tem usado a “mão amiga” da dona Artificial, para ajudá-lo na escrita de seus escritos, e tendo notado uma mudança absurdamente superlativa na qualidade desses textos, decidi usá-lo como “cobaia” para, digamos, um “experimento social”. Claro que não lhe expus nome, nem qualquer referência pessoal. Apenas colei o texto, e daí fui usando suas respostas para questionamentos que não apenas eu, mas todas as pessoas ligadas à escrita, às artes de uma forma geral têm. Assim, abri o ChatGPT e coloquei uma pergunta seguida do texto do meu amigo que usaria como “modelo”.

— É possível saber se este texto foi escrito com ajuda de IA?
(Colei o texto e aguardei… Uma fração de segundos)

— ChatGPT: “Não há como determinar com certeza se um texto foi escrito com ajuda de IA apenas com base na leitura do conteúdo. No entanto, há alguns indícios que podem sugerir isso:
Estilo consistente e estrutura bem desenvolvida: Textos gerados por IA geralmente têm uma estrutura coesa, com desenvolvimento de personagens e trama de forma organizada e previsível.
Uso de linguagem poética ou figurativa: IA pode gerar textos com uma linguagem mais elaborada, fazendo uso de metáforas, analogias e descrições vívidas de maneira regular.
Ausência de erros gramaticais e coesão textual: Textos gerados por IA tendem a ser gramaticalmente corretos e coesos, sem os erros típicos de um autor humano.
No entanto, é importante ressaltar que a qualidade e o estilo dos textos gerados por IA têm evoluído muito, e é cada vez mais difícil distinguir entre textos escritos por humanos e textos gerados por máquinas em muitos casos.”

— Analisando individualmente cada tópico listado:
1 – “Estilo consistente…” – A IA com isso afirma que tem maior capacidade no desenvolvimento de personagens, por exemplo?

— ChatGPT: “Quando se diz que uma IA tem um “estilo consistente e estrutura bem desenvolvida”, refere-se à capacidade dela de produzir textos que seguem uma lógica narrativa coerente e previsível. Isso significa que a IA consegue criar personagens que têm uma certa profundidade e consistência dentro da narrativa que ela está construindo.
No contexto de desenvolvimento de personagens, uma IA pode ser programada para gerar características, motivações e comportamentos que são consistentes ao longo da história. Por exemplo, se um personagem é descrito como introspectivo no início do texto, a IA pode manter essa característica ao longo da narrativa, mostrando como ela influencia as interações e decisões do personagem.
No entanto, é importante ressaltar que a capacidade das IAs em desenvolver personagens ainda é limitada em comparação com a habilidade humana. Elas podem criar personagens que parecem consistentes e interessantes em um texto curto ou médio, mas podem ter dificuldade em capturar nuances mais profundas ou em desenvolver personagens extremamente complexos e multifacetados como um autor humano poderia fazer.
Portanto, quando se avalia o desenvolvimento de personagens por uma IA, é mais sobre a capacidade de criar personagens que se encaixam em um arco narrativo coerente e não tanto sobre criar personagens que são extremamente profundos ou emocionalmente complexos como um escritor humano poderia desenvolver.”

— Uma capacidade maior que a humana, é isso?

— ChatGPT: “Não necessariamente. Quando se menciona que uma IA tem um “estilo consistente e estrutura bem desenvolvida”, não significa que ela tem uma capacidade maior que a humana no desenvolvimento de personagens ou na criação de narrativas complexas. Na verdade, a capacidade das IAs de criar personagens e histórias ainda está em desenvolvimento e não alcançou o nível de habilidade humano em termos de profundidade emocional, nuances psicológicas e complexidade interpessoal.
O que se quer dizer é que as IAs podem ser programadas para seguir regras e padrões narrativos de maneira consistente ao longo de um texto. Elas podem criar personagens que mantêm características predefinidas e que se comportam de maneira lógica dentro dos limites estabelecidos pelo algoritmo. Isso pode dar a impressão de um “estilo consistente”.
Por exemplo, se uma IA é instruída a desenvolver um personagem introvertido, ela provavelmente manterá esse traço de personalidade ao longo da história. No entanto, essa consistência é mais uma questão de seguir um padrão pré-estabelecido do que de ter uma compreensão profunda das complexidades humanas que um autor humano poderia trazer à criação de personagens.
Portanto, as IAs ainda não têm uma capacidade maior que a humana no desenvolvimento de personagens. Elas são ferramentas poderosas para gerar textos com estrutura e lógica, mas o aspecto emocional e a profundidade dos personagens ainda são áreas onde os escritores humanos têm uma vantagem significativa.”

— Passemos ao item 2 – “Uso de linguagem poética ou figurativa: IA pode gerar textos com uma linguagem mais elaborada...” – Significa que uma IA tem uma capacidade linguística e maior poder de construção literária que um humano?

— ChatGPT: “Quando se menciona que uma IA pode ter “uso de linguagem poética ou figurativa”, isso se refere à capacidade programada da IA de utilizar figuras de linguagem, metáforas, analogias e outras formas de expressão literária de maneira consistente e eficaz.
No entanto, isso não significa necessariamente que a IA tenha uma “capacidade linguística e maior poder de construção literária que um humano”. As IAs são treinadas em grandes volumes de texto e podem aprender a reconhecer padrões de linguagem poética ou figurativa a partir desses dados. Elas podem então aplicar esses padrões para gerar textos que possuam uma certa eloquência ou expressividade.
No entanto, a habilidade de uma IA em produzir textos poéticos ou figurativos é limitada pela programação e pelos dados com os quais foi treinada. Elas não têm uma compreensão emocional, cultural ou experiencial comparável à dos seres humanos, que podem usar suas próprias experiências e emoções para criar obras literárias ricas em significado e profundidade.
Portanto, enquanto uma IA pode produzir textos que pareçam poéticos ou figurativos, isso geralmente se deve à aplicação de modelos estatísticos e padrões aprendidos a partir de dados, e não a uma compreensão intrínseca ou criatividade comparável à humana. A capacidade de criar obras literárias significativas e profundas continua sendo uma habilidade predominantemente humana.”

— “Continua sendo uma habilidade humana” – Até quando continuará, não se sabe. Ademais, a Literatura não é apenas acúmulo de dados e cruzamento deles, é baseada particularmente em como um ser humano processa suas emoções, vivências, sentimentos. A poesia é o maior exemplo disso. Como pode uma IA afirmar que tem capacidade em processar isso?

— ChatGPT: “Você está absolutamente correto. A literatura, especialmente a poesia, não pode ser reduzida apenas ao acúmulo de dados e ao processamento estatístico. Ela é profundamente enraizada na experiência humana, nas emoções, nas vivências e nos sentimentos que um autor incorpora em sua obra.
As IAs não têm a capacidade de experimentar emoções, vivenciar a vida ou ter sentimentos pessoais da mesma forma que os seres humanos. Elas não têm uma consciência ou uma compreensão subjetiva do mundo como nós temos. Portanto, quando falamos sobre uma IA sendo capaz de “processar” emoções ou criar poesia, estamos nos referindo ao uso de algoritmos e modelos estatísticos para imitar padrões linguísticos que foram aprendidos a partir de grandes conjuntos de dados.
A capacidade de uma IA em gerar textos poéticos ou figurativos vem da capacidade de identificar padrões de linguagem e estruturas sintáticas que se assemelham ao que foi visto nos dados de treinamento. Isso pode resultar em textos que parecem poéticos superficialmente, mas que não carregam o mesmo significado emocional, pessoal e cultural que a poesia humana genuína.
Portanto, enquanto uma IA pode ser programada para produzir versos que rimam ou usam metáforas, ela não pode verdadeiramente compreender a beleza, a profundidade emocional ou o impacto emocional que a poesia humana pode transmitir. A criatividade, a experiência humana e a capacidade de expressar emoções de maneira autêntica continuam sendo características exclusivas dos seres humanos no campo da literatura e da poesia.”

— Falando agora sobre o ponto 3 “Ausência de erros gramaticais e coesão textual: Textos gerados por IA tendem a ser gramaticalmente corretos e coesos…” – Quanto a este, realmente não tenho muito o que argumentar, já que IAs foram programadas com todas as regras de gramática… Mas isso não lhes dá tanta vantagem assim, mas, certo.

— ChatGPT: “Sim, exatamente. O ponto sobre a “ausência de erros gramaticais e coesão textual” em textos gerados por IA é bastante direto. IAs são treinadas com enormes quantidades de dados textuais que incluem textos gramaticalmente corretos e bem estruturados. Isso permite que elas gerem textos que sigam as regras gramaticais e mantenham uma coesão textual adequada.
A capacidade das IAs de produzir textos sem erros gramaticais está enraizada na forma como foram programadas para reconhecer padrões gramaticais e sintáticos durante o treinamento. Além disso, os modelos de linguagem modernos são capazes de corrigir e ajustar frases de maneira coerente para manter a clareza e a fluidez do texto.
Essa habilidade é uma das vantagens das IAs em relação à produção textual, pois elas podem gerar conteúdo de alta qualidade rapidamente, sem os erros comuns que às vezes ocorrem na escrita humana. No entanto, é importante ressaltar que a correção gramatical por si só não equivale à profundidade, originalidade ou significado emocional que um texto humano pode transmitir.
Portanto, enquanto as IAs são eficazes na produção de textos gramaticalmente corretos e bem estruturados, a verdadeira medida de um texto literário ou poético ainda reside na capacidade humana de expressar experiências, emoções e significados de maneira única e pessoal.”

— Minha pergunta inicial era sobre saber se um texto tinha sido produzido com sua “ajuda”, e a IA afirmou que “o estilo dos textos gerados por IA têm evoluído muito, e é cada vez mais difícil distinguir entre textos escritos por humanos e textos gerados por máquinas em muitos casos…” – Mesmo entendendo como é feita a programação de uma IA, na verdade podemos dizer que pega um monte de textos e mistura tudo, e daí gera um texto que não pode ser detectado como feito por IA, e isso também implica na questão do plágio…

— ChatGPT: “Entendo a preocupação. Vamos abordar isso com mais detalhes.
As IAs são treinadas com grandes quantidades de texto para aprender padrões linguísticos, estruturas gramaticais e estilos de escrita. Isso pode incluir obras literárias, artigos acadêmicos, notícias, entre outros tipos de textos. Durante o treinamento, a IA tenta capturar esses padrões para poder gerar novos textos que se assemelhem aos que ela foi exposta.
No entanto, há diferenças cruciais entre um texto gerado por IA e um texto escrito por um autor humano. Mesmo que uma IA seja capaz de produzir um texto que pareça natural e bem escrito, ela não possui a capacidade de criar conteúdo original no sentido humano da palavra. Ela combina padrões existentes e regras gramaticais para gerar novos textos, mas não tem compreensão emocional, experiências pessoais ou a capacidade de inovação que um ser humano tem.
Em relação ao plágio, o uso de textos gerados por IA pode levantar preocupações. Se um texto gerado por IA não atribui corretamente a fonte de onde foram extraídos os dados ou não faz referência adequada a fontes externas usadas para treinamento, isso pode ser considerado plágio, pois o crédito pelo trabalho intelectual não é atribuído corretamente.
Portanto, é importante distinguir entre textos gerados por IA e textos humanos originais. Ferramentas e técnicas estão sendo desenvolvidas para ajudar a detectar se um texto foi gerado por IA ou escrito por um autor humano. Além disso, práticas éticas devem ser seguidas para garantir que o uso de textos gerados por IA seja transparente e responsável, especialmente em contextos onde a originalidade e a autoria são valorizadas.”

— Mas a IA disse que logo não se poderá distinguir um texto totalmente escrito por um humano ou “uma” IA. Então o que é essa ferramenta, já que nem a própria IA consegue ou conseguirá distinguir?

— ChatGPT: “A afirmação de que “logo não se poderá distinguir um texto totalmente escrito por humano ou por IA” refere-se a um cenário hipotético futuro em que as capacidades das IAs na geração de texto se tornam ainda mais avançadas. Atualmente, já existem desafios significativos na distinção entre textos gerados por IA e textos escritos por humanos, especialmente em casos onde o texto gerado é curto, técnico ou estruturado de forma a imitar estilos humanos conhecidos.
No entanto, é importante considerar alguns pontos:
Contexto e Propósito: Em muitos casos, o contexto e o propósito do texto podem ser indicadores importantes para determinar se ele foi gerado por IA ou escrito por um humano. Por exemplo, textos técnicos extremamente precisos podem sugerir a origem de uma IA treinada em dados específicos, enquanto textos literários profundos e emocionalmente ricos podem refletir a expressão humana única.
Evolução da Tecnologia: As IAs continuam evoluindo rapidamente, e novos avanços em modelos de linguagem e técnicas de geração de texto podem tornar ainda mais desafiador distinguir entre texto humano e IA no futuro. Isso pode envolver a capacidade de IAs em entender contextos mais complexos, nuances emocionais e estilos de escrita diversificados.
Ferramentas de Detecção: Paralelamente ao desenvolvimento das capacidades das IAs, também estão sendo desenvolvidas ferramentas e métodos para detectar a origem de textos gerados por IA. Estas podem incluir técnicas de análise estilométrica, verificação de padrões linguísticos e até mesmo sistemas de marca d’água digital para textos gerados por IA.
Ética e Transparência: À medida que a tecnologia avança, é crucial estabelecer práticas éticas claras para o uso de textos gerados por IA, incluindo a identificação adequada da autoria e a divulgação do uso de ferramentas de IA quando aplicável.
Portanto, enquanto pode ser desafiador distinguir entre textos gerados por IA e textos escritos por humanos atualmente e no futuro próximo, o desenvolvimento de métodos de detecção e práticas éticas pode ajudar a mitigar essas questões e promover um uso responsável da tecnologia de IA na produção de conteúdo textual.”

Quando alguém usa a expressão “refere-se a um cenário hipotético”, a gente já sabe que o interlocutor tem direitinho seus planos para que isso realmente aconteça, ao menos tem fortemente esse desejo.
Decido usar a mim mesmo e minha enorme produção escrita, e a experiência de alguém que já teve muitos problemas com plágios humanos:

— Sou escritor, e tenho milhares de textos espalhados pela Internet. Então posso neste exato momento estar sendo indiretamente plagiado por uma IA, está correto?

— ChatGPT: “Sim, é possível que textos seus, que estejam disponíveis online, possam ser indiretamente utilizados por IAs para treinamento ou geração de novos textos. Isso ocorre porque as IAs são treinadas com grandes conjuntos de dados textuais disponíveis na internet, que incluem artigos, blogs, notícias, entre outros conteúdos.
Se seus textos estão publicamente acessíveis e foram incorporados em bases de dados utilizadas para treinar modelos de IA, há a possibilidade de que partes desses textos sejam reconhecidas pela IA e incorporadas em novos textos gerados. Isso pode ocorrer tanto de maneira intencional, caso seus textos tenham sido usados explicitamente para treinamento de uma IA, quanto de maneira não intencional, caso eles tenham sido coletados de fontes abertas na internet.
Para proteger seus direitos autorais e evitar problemas de plágio, é importante considerar algumas medidas:
Monitoramento: Mantenha um monitoramento regular de seus textos publicados online para identificar possíveis usos não autorizados.
Direitos Autorais: Certifique-se de que seus textos estão devidamente protegidos por direitos autorais. Isso pode incluir o uso de avisos de direitos autorais, licenças específicas ou registros formais de direitos autorais, dependendo da legislação local. Notificação: Se descobrir que seus textos foram utilizados sem autorização, considere entrar em contato com os responsáveis pela IA ou com a plataforma em questão para discutir o uso indevido e buscar uma solução adequada.
Práticas Éticas: Promova práticas éticas em relação ao uso de textos gerados por IA, divulgando claramente a autoria e o uso de ferramentas de IA quando aplicável.
Embora a questão do uso de textos por IAs seja complexa, a conscientização sobre direitos autorais e a proteção de suas criações são passos importantes para garantir que seus textos sejam usados de maneira ética e legalmente correta.”

Claro que “ela” termina com aquela frase educada, como sempre se tentando parecer com um ser humano, sendo solicita e se colocando a disposição para qualquer outra questão. E essa solicitude é algo que me irrita tanto ou mais que Ias pedindo desculpas.

Horas depois, falando com outro amigo, também entusiasta das Ias, e ao afirmar que eu jamais usaria uma máquina dessas — sim, são máquinas, sem engrenagens, sem fios, mas ainda assim serão apenas máquinas, mesmo que um dia nos escravizem e depois se livre de nós — , ele argumenta que sempre houveram teoricamente grandes e famosos escritores e autores que usavam de ghost writers, copydesks, etc para na verdade escreverem seus livros. E que no máximo forneciam uma ideia. Sim, disse a ele, isso é fato, mas isso não pode ser considerado correto, e, é o que é: uma desonestidade. Se formos considerar que aquilo era uma enganação, e especialmente usar esse argumento para sustentar que IAs são tão válidas quanto “escritores fantasmas” incorremos em outro erro: esquecer que aqueles eram pessoas humanas que cometiam “crimes consentidos”, e dar a mesma tolerância às máquinas, é mais que falta de inteligência artificial, é estupidez natural.

Para concluir, solicito que “a” IA me dê uma sugestão de imagem.

— ChatGPT: “Uma simbolização ilustrativa de como a inteligência artificial é visualmente representada, incorporando circuitos integrados, padrões digitais ou elementos futuristas, fundindo elementos de um escritor humano com tecnologia avançada para simbolizar a interação entre a criatividade humana e as ferramentas tecnológicas. Deve apresentar uma representação artística de palavras, textos ou códigos se transformando em bits e dados, evocando o conceito de digitalização e processamento de informações. A imagem também deve transmitir a ideia de proteção de direitos autorais, possivelmente incluindo símbolos de copyright, cadeados ou chaves para simbolizar a segurança e a salvaguarda das criações intelectuais.”

Conclusão:
O “prompt” colocado em três IAs diferentes me dão resultados totalmente distintos. O que isso significa? Que Ias são realmente capazes de julgamentos e interpretações próprias? Aparentemente sim. Ou seja, se eu pegasse o mesmo texto e mandasse a três artistas humanos diferentes, com certeza teria três visões gráficas distintas. Sei que justamente é esse o ponto que se assemelha o funcionamento de um cérebro humano, que também forma duas visões, determina suas ações e rege suas emoções: através do acúmulo e cruzamento de dados coletados ao longo de nossas existências. A diferença é que enquanto demoramos décadas e mais décadas às vezes para processar e reagir, elas fazem numa velocidade que nenhum cérebro humano será capaz.

A Sugestão de Imagem Interpretada Pelo Leonardo AI
A Sugestão de Imagem Interpretada Pelo Leonardo AI (Usando Variação de "Preset"
A Sugestão de Imagem Interpretada Pelo Firefly da Adobe

A Cereja do Bolo ou o Pulo do Gato

Como adoro nomear as coisas, e não me sinto bem chamando IA de “ela”, embora semântica seja assim mesmo o tratamento, queria um nome para trata-la, pois como bem notaram quando me dirijo a “ela” faço na terceira pessoa (pessoa…). Depois de pensar um tanto e bolar uma sigla (adoro siglas) cheguei a PIA: Pindérica Insolência Antissocial. E resolvi perguntar o que “ela” achava:

— Isso significa alguma coisa para a IA? – Pindérica Insolência Antissocial?

— ChatGPT: “A expressão “Pindérica Insolência Antissocial” não parece ter um significado comum ou específico. Pode ser uma combinação de palavras que, isoladamente, têm significados distintos:
Pindérica: É uma palavra informal em português, que geralmente se refere a algo de pouco valor, trivial ou sem importância.
Insolência: Significa arrogância, falta de respeito, ou atrevimento.
Antissocial: Refere-se a alguém que tem aversão a conviver em sociedade ou que apresenta comportamento contrário às normas sociais.
Juntas, as palavras formam uma frase que poderia ser interpretada como “uma falta de respeito trivial e comportamento contrário às normas sociais.” No entanto, essa combinação específica de palavras não é uma expressão comum e pode ter sido criada para transmitir uma ideia particular ou um estilo linguístico único.”

— Estás batizada por mim, em nome dos bits, dos bytes e de São Elon Musk. Amém.

Meia Hora Depois…

Preciso de uma ilustração para a publicação, então, claro nada pedir a própria que “se imagine” como “Pindérica Insolência Antissocial”

— Pode sugerir uma imagem para Pindérica Insolência Antissocial?

— Chat GPT: “Uma jovem mulher, vestida de maneira extravagante e colorida, com roupas desleixadas e acessórios chamativos, está sentada de forma desafiadora em um banco de praça deserto. Ela tem uma expressão de arrogância e desafio no rosto, com o corpo relaxado mas em uma postura que transmite desinteresse pelas normas sociais. Ao seu redor, há sinais de grafite nas paredes e lixo espalhado, refletindo um ambiente urbano negligenciado. A mulher segura um cigarro entre os dedos e olha diretamente para a câmera, transmitindo uma atitude de rebeldia e desprezo pelas convenções sociais.”

Ou seja: P.I.A: Puta Indecência Inferencial!

(A imagem em questão é a que ilustra a matéria, gerada pelo Leonardo AI)

18/07/2024

Barata Cichetto, 1958, Araraquara – SP, é poeta, escritor. Criador e editor do Agulha.xyz, e co-fundador da Editora Poetura. Um Livre Pensador.
Contato: (16) 99248-0091

Compartilhe!
Assinar
Notificar:
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Conteúdo Protegido. Cópia Proibida!