Foto: Bruno Santos/Folhapress

João Valter Garcia – Uma Homenagem a Contardo Calligaris

Morreu nesta terça-feira, dia 30 de março, em São Paulo, o psicanalista, escritor e dramaturgo Contardo Calligaris, aos 72 anos.

 

Ele estava internado no Hospital Albert Einstein, na Zona Sul de São Paulo, onde fazia tratamento contra um câncer.

 

Contardo Luigi Calligaris, italiano, nascido em Milão, em 2 de junho de 1948, era considerado um dos principais psicanalistas em atividade no país, e escrevia, como colunista, para o jornal Folha de São Paulo, desde o ano de 1999.

 

Não vou me aprofundar a história deste renomado escritor, haja vista que, facilmente, sua biografia e obra poderão ser pesquisadas na internet.

 

No entanto, como homenagem, não poderia deixar de trazer a reflexão uma de suas, na minha opinião,mais célebres frases, ou seja:

 

“Em ordem cronológica, Deus, família e pátria são, em nossa história, as grandes matrizes do mal e da imoralidade: é em nome desses três espantalhos que a humanidade se permitiu cometer seus piores crimes”. (Na coluna “Qualidade Moral de Nossa Conduta Depende da Capacidade de Agir Sozinho”, de 2020.)

 

Nota-se que, diferente do que muitos acabam concluindo, em nenhum momento o escritor atacava ou discutia a importância de Deus, família ou pátria, muito menos questionava a fé, a ética, ou o patriotismo. Contardo Calligaris trazia a reflexão tão somentenossa capacidade de agir ou escolher sozinhos, a partir de nosso foro íntimo.

 

Convenhamos, como já observava o escritor, é inegável que nosso foro íntimo sempre foi influenciado por nossos “valores”, isto é, nossas crenças, nossa fé ou nossa descrença, nossa cultura ou ausência da mesma, e assim por diante.

 

Ocorre que, nosso ditos “valores” são sempre coletivos, razão pela qual, agir ou escolher em nome destes supostos valores muitas vezes se revela profundamente “imoral”.

 

Como ele bem sublinhava, ninguém age ou escolhe sem que a “imoralidade” de seus supostos “valores” cobre o seu pedágio, mas há uma diferença entre escolher por preferência a valores abstratos (Deus, pátria, família, partido e análogos) e escolher diante do concreto avaliando, sozinhos, aquilo que nos parece justo e o que nos parece errado.

 

Quantas vezes nos deparamos com a promessa da tão esperada“Salvação” e depois constatamos a verdadeira cilada que acabamos entrando, muitas vezes levados por nossas próprias crenças ou influenciados por terceiros.

 

Por exemplo, quem aquinunca searrependeupor ter votado em alguém que julgava ser o melhor candidato?

 

Sempre acreditei que não há mal nenhum em mudar de opinião, desde que seja para melhor, e a sua consciência é quem deverá dizer o que é melhor para você.

 

Ademais, adentrando rapidamente ao campo político, que fique claro, não faço aqui qualquer apologia à esquerda ou à direita, mas sim, ao marketing de influenciadores, cada vez mais constante em nosso mundo, que tende a empurrar cada vez mais, goela abaixo, os supostos “Salvadores”, sejam eles quem for, muitas vezes, lobos em pele de cordeiro.

 

O senso crítico, diferente do senso comum, tem por base aquilo que é concreto: a pesquisa, a reflexão, a análise e a crítica

 

Convenhamos, utilizando-se do senso crítico o indivíduo passa a pensar e refletir, e, consequentemente, aprimora suas capacidades intelectuais. Muitas vezes deixamos de solucionar problemas de maneira coerente por não pararmos para refletir e estudar a melhor maneira de resolvê-lo.

 

Concluindo, ano que vem, 2022, estaremos em mais um ano de eleição, onde novamente escolheremos nossos principais governantes.

 

Assim, longe de todo esse rançoso marketing de influenciadores, clamo, o quanto antes, para a reflexão do já saudoso Contardo Calligaris, num esforço para sermos cada vez mais morais, votando segundo a consciência, não segundo os supostos “valores”.

 

João Valter Garcia, é advogado no escritório J. Garcia Advogados e Consultores, em Santo André – SP. Também é músico, compositor na banda de rock/blues Lady Noia e poeta de botequim nas horas vagas.

Sigam-me:

https://www.facebook.com/joaovaltergarciaoficial

https://www.instagram.com/johnnyrockgarcia

https://www.jgarciaadvogados.com.br

https://www.facebook.com/jgarciaadvogados

https://www.ladynoia.com.br/

https://www.facebook.com/ladynoia

https://www.instagram.com/ladynoia.rock

Livro "Quinta Coluna", coletânea de artigos do autor

Contardo Luigi Calligaris (Milão, 2 de junho de 1948 ― São Paulo, 30 de março de 2021) foi um renomado escritor, psicanalista e dramaturgo italiano radicado no Brasil. Foi colunista da Folha de S. Paulo.
Sua primeira formação foi em Epistemologia Genética, na Suíça, numa faculdade em que Jean Piaget palestrava. Nesse momento, os estudos de Calligaris foram direcionados às ciências sociais. Ao mesmo tempo, fez graduação em Letras que o permitiu ensinar teoria da literatura.
Mais tarde, em Paris, se dedicou ao doutorado em Semiologia, com Roland Barthes.Nesse momento, começou a fazer análise (como paciente), o que, a princípio, não tinha relação com sua formação. A partir dessa experiência passou a interessar-se por Psicanálise.
Tornou-se membro da Escola Freudiana de Paris em 1975. Durante esse período, frequentava as apresentações de casos de pacientes feitas por Jacques Lacan.
(Wikipedia)

 
Compartilhe
  • 11
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    11
    Shares
Assinar
Notificar
guest


Atenção: O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais ao autor, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

 

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Site Criado Por Barata Cichetto - (16) 99248-0091