Conto: Marcos Valério Murad – Manuscrito de Uma Suicida

Marcos Valério Murad

Reproduzo adiante o manuscrito de uma suicida, minha amiga Maria Helena: “Meu amado amigo Marcos, tive, bem o sabes, inúmeros amantes que desprezei. Eles adoravam: a selva negra, pura seda, entre minhas pernas loucas, os cabelos pretos, as sobrancelhas grossas, os olhos verdes, grandes, a tez nívea, os seiozinhos delicadamente assassinos. Tive algumas mulheres bonitas: também naufragaram em meu leito. Estudo, como já disse a ti várias vezes, o assédio sexual às mulheres octogenárias. Porém, a tese, o fruto esperado desse meu empenho, não floresce. A bolsa de estudos dá os últimos suspiros. Vejo-me sobre um pináculo de pedra cujo cimo é um circulo estreito onde só cabem meus pés descalços. Olho para o abismo escuro sem fim que me cerca. Tenho pavor de cair. Desnorteada, sozinha, sem dinheiro, soçobro e ouço vociferações. Apunhalam-me o espírito dores sangrentas. No cinzeiro ali a minha frente ergue-se uma montanha indigesta de cigarros. Acumula-se na pia da cozinha, gritando, a louça emporcalhada. Sei perfeitamente, amigo, que ardes de paixão pela minha alma e pelo meu corpo. Mas a tua chama física não me queima. Eu só gosto um pouco de teu espírito, não de tua carne. E conforme já dizia o poeta minúsculo: os corpos não se entendem, mas as almas, sim. E apesar de teres desejado que, unidas numa só, a minha e a tua crepitassem num amor transcendente, lamento, mas nem isso foi possível. E tu, amado, por despontares como o único ser que, embora intrépido me adorasse, nunca exigiste de mim a fornicação torpe, só tu, portanto, mereces esta carta de despedida. Minhas duas mãos juntas, nevadas, em oração, os dedos de pianista, delgados, as unhas vermelhas, seguram trinta cápsulas de barbitúricos, que darão fim a minha existência. O horror já passou. Derramo uma lagrimazinha, prova de uma certa ternura que por ti guardo em meu coração. Adeus para sempre, pobre urubu e amado amigo. Nem posso dizer-te que algum dia haveremos de nos encontrar no céu, porque, bem o sabes, sou atéia.”

Marcos Valério Murad é proprietário da Livraria Sebo Murad, em Araraquara, SP

 
Compartilhe
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    1
    Share
Assinar
Notificar
guest


Atenção: O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais ao autor, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

 

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Site Criado Por Barata Cichetto - (16) 99248-0091