Cena Familiar

Compartilhe!

Barata Cichetto


— Tenha a santa paciência, Gregor! Ficas enchendo a casa de papel. Daqui a pouco estaremos dormindo junto com as baratas.

— Credo! Pedaços de doces, restos de bebidas por todos os cantos, logo teremos que chamar uma empresa para dedetizar a casa. E aí quero ver quem é que vai pagar a conta!

—- Assim não é mesmo possível, Gregor! Restos de … tetec, tetec, tetec… Baratas!

— Pelo amor de Deus, Gregor! tetec, tetec, tetec… Baratas!

—- Gregor, seu inútil…. tetec, tetec, tetec… tetec, tetec, tetec… Baratas!

Gregor Samsa nada respondeu às lamúrias e criticas da mulher. Apenas bufou de tédio, atirou longe a caneta, embolou o papel onde escrevia um romance jogando no cesto onde jaziam outras bolas de papel e retirou-se da sala, deitando-se em um canto triste e escuro do quintal com suas seis patas para cima e as antenas quietas.

Afinal, há dez anos ele acordara em uma manhã transformado em uma barata, e nem sequer a esposa que tanta ojeriza tinha de baratas percebera.

/2010

Universo Expandido Ou Impressões e Expressões Baratas Sobre o Processo da Metamorfose de Kafka
Registrado no Escritório de Direitos Autorais da Fundação Biblioteca Nacional sob Nº. 6849/10 

Luiz Carlos Giraçol Cichetto, Araraquara, SP, é escritor, poeta e Livre Pensador, um dia acordou de sonhos intranquilos e se transformou em Barata.

5 1 Vote
Avaliação do Artigo
Assinar
Notificar:
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários