Cândido Lemos Carneiro – O Tempo

Compartilhe!

Cândido Lemos Carneiro


Eu quero definir o tempo,
não sei como me expressar.
E por mais tudo que tento,
só vejo meu tempo passar.

Temos o tempo do passado,
do qual só guardamos lembranças.
Falar delas é complicado
quando tudo eram esperanças.

Do presente fácil parece
porque é nele que estamos.
Contudo a gente o esquece
depois do passar dos anos.

E do futuro o que dizer?
Todo ele é ignorado.
O que me resta a fazer
é apenas ficar calado.

Do tempo se fez a história
do passado, das nações,
algumas cheias de glória,
mas de outras decepções.

Também da história humana
restaram extensos legados.
O mais das vezes foi insana
e plena de rudes pecados.

Reescrevê-la é missão
das futuras humanidades,
a superar sem indecisão
do mundo as desigualdades.

Passado, presente e futuro
são apenas três momentos.
Falar deles eu procuro,
mas não passo do intento.

Poesias do livro “Reflexões Poéticas“, Letra Capital Editora ([email protected]), 2023.

Cândido Lemos Carneiro,  nascido em 1935, arquiteto aposentado. – Rio de Janeiro – RJ

Assinar
Notificar:
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Conteúdo Protegido. Cópia Proibida!