Cândido Lemos Carneiro – Meu Destino

Cândido Lemos Carneiro


Qual o nome dar ao nada
quando nos falta o tudo,
ausência da bem amada,
que deixa o coração mudo.

Diz-se chamar solidão
a sensação de um vazio,
que me ocupa a razão
e cobre a alma de frio.

Me deixaste desolado
ao me dares teu adeus
e desde então sofro calado,
a pedir clemência a Deus.

Ficar só é o meu destino
talvez porque eu mereça,
mas não quero perder o tino
caso um dia tu me esqueças.

A solidão é sentimento
bem difícil de suportar,
tem um sabor de lamento
e dá vontade de chorar.

Poesias do livro “Reflexões Poéticas“, Letra Capital Editora ([email protected]), 2023, ISBN 978-85-7785-868-2

Cândido Lemos Carneiro,  nascido em 1935, arquiteto aposentado. – Rio de Janeiro – RJ

Compartilhe!
Assinar
Notificar:
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Conteúdo Protegido. Cópia Proibida!