Barata: Sexo, Poesia e Rock’n’Roll – Parágrafo 31

Compartilhe!

Barata Cichetto


Desde 1996 eu tinha um grande amigo, um irmão separado na criação, conforme nós mesmos brincávamos. João Kraciunas é um descendente de lituanos, programador de computadores, da minha idade e com uma bagagem intelectual pouco comum. E nossas conversas sempre se estendiam por horas a fio, às vezes noite ou tardes inteiras. Falávamos basicamente sobre Filosofia e Rock, sendo que nossos pratos preferidos eram Rock Progressivo e Nietzsche. Ele dizia que eu era a única com quem ele podia falar sobre o bigodudo filosofo alemão sem brigar ou dormir. E eu, que ele era o único cara que era fanático por Rock Progressivo que não me causava sono. Assim, com as palavras encharcadas de latas e latas de cerveja, discutíamos sobre os temas dos mais banais aos mais surreais sem cansar. Ouvíamos as bandas de “Krautrock” à exaustão e criávamos teorias conspiratórias que uniam de Platão á Bill Gates. E assim nos irmanamos durante todos esses anos.

No final do ano de 2005 eu não tinha destino, dinheiro, sonho, porra alguma. Era sentar, chorar e procurar forças para reconstruir minha existências. E não podia usar escombros, não podia contar com tijolos familiares. E foi à casa de JK, como eu o chamava que fui aportar. Ali, diariamente, João escutava minhas lamentações, minhas lástimas e minhas teorias sobre relacionamentos. Hora ou outra tecendo algum comentário, sempre embasado nas teorias de Freud, enquanto eu rebatia com as de Jung. Aliás, pelos teores de nossos embates, ele era Freud e eu Jung… e reinventamos a psicanálise. E acredito que no meio disso tudo Schopenhauer dava enormes gargalhadas. A trilha sonora? Sempre Kaleidoscope, Spirit, PFM, Banco del Muttuo Soccorso… Fiquei três meses ali e no inicio de 2006, tentei retomar o relacionamento com minha primeira esposa, que se revelou um autêntico fracasso. Um ano depois estava de volta á casa de meu amigo, para mais uma pequena temporada de embates filosóficos regados a cerveja e churrasco na madrugada.

Do Livro: Barata: Sexo, Poesia e Rock’n’Roll (Uma Autobiografia Não Autorizada)
Editor’A Barata Artesanal, 2012
(ESGOTADO)

Barata Cichetto, 1958, Araraquara – SP, é poeta, escritor. Viveu a vida entre Sexo, Poesia e Rock’n’Roll. Criador e Editor do Agulha.xyz e  Livre Pensador.

5 1 Vote
Avaliação do Artigo
Assinar
Notificar:
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários