Vômito de Metáforas

Compartilhe!
Barata Cichetto
A vida até que é engraçada. Quando não é uma desgraçada. Um a gente nada de braçada. No outro se afoga numa poça. Ou nos beijos de uma moça. Uma bela aeromoça. Um dia a gente almoça dias vezes. Nós outros passa fome por meses. Que mais ...
Barata Cichetto
O que é mais engraçado? Falar do Soldado, do Cabo ou do Capitão? Falar do safado, do fado ou do cafetão? O que é mais consistente? Falar mal do presidente. Do assistente? Ou do Deus falso Onipresente? Falar do verdadeiro Deus ou do Inominável Presidente. Não é ...
Barata Cichetto
Meu avô que era loiro de olhos azuis. Feito o Médice. E o Chico. Também era Francisco. E morreu do coração. No meio de ato. De prazer e adoração. Como condecoração. Era feito eu tão magro. Que parecia um mago. Analfabeto e gago. Mas que sabia que ...
Barata Cichetto
Um dia Raul, o Seixas não o outro das gueixas, disse: "Você me pergunta aonde eu quero chegar, se há tantos caminhos na vida, e pouca esperança no ar". E aí falava de todos os possíveis caminhos. Da água e do fogo. Do fogo e do chicote ...
Barata Cichetto
Sabem aquele velho vazio. Que a gente sempre sente? Sendo velho ou novo. Bastando ser gente? Eu sinto um vazio que é velho. Eu não sou o Coelho. Nem Surfistão. Sou apenas um pentelho. No Araraquaristão. Ficar velho. Porque velho não é ser. Velho é estar. Não ...
Barata Cichetto
Imagine "se eu morresse amanhã". Conforme escreveu o moleque safado do Azevedo. Mesmo que não fosse de manhã. Ou nem tão cedo. Imagine se eu morrer. Na conjugação. Que eu nunca consegui entender. Porque esse negócio de oração. Tratada como frase e reza. Não combina comigo. Uma ...
Barata Cichetto
Eu bem que tento falar de coisa bonita. Mas, ninguém acredita. É só palavra maldita. Que sai da minha boca expedita. Eu bem queria falar de flores. De Marias e Dolores. Mas apenas conheço as cores. Que pintam as dores. Tento escrever bonito. Porque até acredito. Que ...
Barata Cichetto
Todos dias desde que me conheço por gente. Penso na minha morte. Mas a penso de forma diferente. Para minha sorte. Não penso com medo. E dela não guardo segredo. Penso com respeito. E de natural jeito. Penso na finitude. E repenso a atitude. Concluo que de ...
Barata Cichetto
Eu nasci há... Não, não foi “há dez mil anos atrás”, que por si só já é um pleonasmo. Mas agora isso pouco me importa. Porque não nasci há dez mil anos. Nasci dez mil anos depois. Depois de quê. Depois de quem. Nem é a resposta ...
Barata Cichetto
Agora eu atesto. E me manifesto. No meu direito de livre pensador. Contra a tirania do condensador. Peça lógica do liquidificador. Que mói, mas não condensa... A dor. E o que me dói, mas não compensa. Nem abastece minha dispensa. É aquele que pensa. Que o crime ...
Barata Cichetto
Um dia conheci um Lou Reed. Que do nada apareceu no meu feed. E ele não era de Nova Iorque. Terra do Roque. Mas do Amazonas. Terra de índios e de zonas. Segundo pensam os indigenistas. E falsos artistas. Ele tinha na boca um cigarro amarrotado. E ...
Barata Cichetto
Há tempos não sentíamos tanto medo. E não é segredo. Que nos idos de mil novecentos e sessenta e quatro e até oitenta e oito. Era crime falar de coito. E até de biscoito. A Ditadura Militar comia no lombo. E era certo o tombo. Que iriamos ...
Barata Cichetto
Meu problema com o Deus cristão. É pela guerra na Ucrânia. O comunismo da Albânia. E as crianças mortas no Afeganistão. Temo sim pela minha sorte. Mas não que não me importe. Mais comigo e com minhas gramáticas. Do que com "as crianças mudas telepáticas". Ou com ...
Barata Cichetto
Quero falar agora sobre quem me atura. E que não é vendedora da Avon ou da Natura. E que de pés juntos jura. Que conhece a cura. Para a obscenidade. E desconjura. Quando revela sua idade. Acha que é dura. A sua realidade. E garante que é ...
Barata Cichetto
Estou mesmo muito cansado da arrogância dos falsos profetas. E aqueles que aos montes se dizem poetas. E que me (não) me desculpem, verdadeiros patetas. Comedores de porpétas. Que minhas quatro avós conchetas. Chamariam de idiotas. Arrogantes e agiotas. E com certeza lhes chutariam a enorme bunda ...
Barata Cichetto
Dantes. Mas nem tão antes. Haviam professores que escreviam no quadro negro com giz. Hoje tanto eles quanto os diretores apanham do aprendiz. Doravantes. Em tempos não tão distantes. Serão as escolas demolidas. E toda e qualquer educação abolida. E professores e diretores serão empregados da prostituição ...
Barata Cichetto
Agora preciso fazer outra confissão: sou um açambarcador! Lamento muito dizer, feito um arrependido caçador. Da buceta da puta até o convés do barco. Do rabo da vaca à flecha e do arco. Tudo que me pertence eu abarco. Tomo conta do que me pertence como minoria ...
Barata Cichetto
Agradeço agora feito o jogador suplente. Aos que foderam minha mente: A vadia crente. A evangélica descrente. E a nazista descontente. Lembrando que se uma era doente. A outra indecente. E a última ineficiente. Por coeficiente. Inconsciente. Então como posso acreditar num Deus senciente. Que deixa morrer ...
Barata Cichetto
Reclamam de mim. Que misturo putaria com política. E até com poesia. E filosofia. Mas pergunto aos leitores incautos. Pacíficos arautos. Da minha destruição. E que antes conste nos autos. Da Constituição. Aos lautos. E aos incautos. Da prostituição. Que sou apenas o poeta. Que chegou agora ...
Barata Cichetto
Quero meter. Disse eu a mim mesmo antes de Me Ter. E aí fiquei pensando se quero a mim mesmo. Assim à esmo. Ou se quero me ter-me como posse. Ter-me como tenho minha gloriosa tosse. E de posse. Da minha propriedade. Agir como se fosse bondade ...

Vômito de Metáforas
Barata Cichetto
Poesia Crônica, Crônica Poética, Antiliteratura
UICLAP, 2024
248 Páginas
20 X 20 cm
Comprar