Vômito de Metáforas | O Barqueiro Anarquista e o Açambarcador Abarcador

Compartilhe!
Barata Cichetto

Agora preciso fazer outra confissão: sou um açambarcador! Lamento muito dizer, feito um arrependido caçador. Da buceta da puta até o convés do barco. Do rabo da vaca à flecha e do arco. Tudo que me pertence eu abarco. Tomo conta do que me pertence como minoria. Que segundo a comprovada randiana teoria. É meu direito como indivíduo unitário. E não uma abelha tonta num enxame proletário. Portanto não apenas o direito, mas o dever. Enquanto como indivíduo viver. E como forma de sobreviver. A obrigação de a mim mesmo prover. A minha própria necessidade. Declarando guerra a cruel obscenidade. Que quer transformar toda a humanidade. Em seres opacos, cinzentos e sem liberdade. Sou dono do meu próprio território. Mesmo que seja ele meu metrô quadrado de escritório. Ou apenas os limites do meu corpo e minha mente. Minhas propriedades desde que sou gente. O que me torna substancialmente. Um humano não diferente. E assim sendo não dou o direito a nada que deseje. E menos ainda do que enseje. Se apossar de um milímetro qualquer de algo que me pertence. Então assim não tente nem pense. Que dirijo um filme de suspense. Com roteiro nonsense. Porque se faço um filme é de terror. Onde a mais forte cena de horror. Será feita no dia em que algum usurpador. Seja ele um tirano ditador. Ou descabelado imperador. Um homem apenas e tão somente pode se arvorar em ser seu proprietário. Dono, senhor e sócio majoritário. E presidente vitalício do enredo societário. Portanto jamais permitirei nenhum Golpe de Estado. Dentro do meu território incontestado. Sou o General do meu exército individual. Soldado, sargento ou Marechal. E atesto que qualquer ser amaldiçoado. E pelo poder condicionado. Tentar romper minhas linhas. Que são tortas, mas são minhas. Pagará caro o preço da ousadia. E no mesmo dia. Pagará pela covardia. Tenho certificado de propriedade vitalício. Garantido e lavrado em cartório de ofício. E acho melhor tentar invadir um hospício. Do que romper a segurança do meu edifício. Ando armado até meus dentes. Quase todos ausentes. Mas, ah, não tentes. Mandar suas serpentes. A mim pouco importa sua crença política. Sua versão de geopolítica. Travestidas de doença apocalíptica. Porque tenho aversão monolítica. E não hesitarei em barrar-lhe a passagem frente a minha porta. E deixar-lhe a boca torta. Se insistir em adentrar em meu condomínio. Que por direito alienável. É totalmente inexpugnável. E não aceito a entrada de nenhum sócio do Abominável. O homem das trevas Inominável. Nos tempos de dantes. Feito loucos elefantes. Esmagaram meu canteiro. Pisotearam-no inteiro. Me transformaram num triste forasteiro. E transformaram meu país num puteiro. Parafraseando aquele outro poeteiro. Que era rápido e certeiro. — Então fujam enquanto podem. Porque meus cães de guarda latem e mordem. São meus seguranças e têm ordem. Para dilacerar todos aqueles que me incomodem. Seja algum elemento. Que usa boné de Movimento. Ou qualquer outro social excremento. Estejam certos que causarei o mesmo sofrimento. Que em mim provocaram. Quando minhas costas nuas marcaram. E minhas poesias e odes no fogo atiraram. Agora apenas eu tenho a chave do meu próprio Inferno. Sou o barqueiro do rio eterno. Que deságua no mar de fogo. Conduzo o barco e comando o jogo. Não ouse desafiar a minha Lei. Que eu mesmo revelei. E mantenha a distância que estipulei. E imperador de meus domínios a mim mesmo estipulei. — Como disse antes sou um açambarcador. Dono da caça e do caçador. E em defesa de minhas posses eternas. Previno que é melhor ter boas pernas. Para correr quando eu começar a atirar. Até não mais respirar. Não invada meu imponente domicílio. Que para minha defesa uso qualquer utensílio. E já que me forçaram a estar sempre sozinho. Fazendo com que minha sombra fosse o único vizinho. E se ao Nada fui condenado. Tudo posso dentro do meu solitário reinado.

16/05/2024

Barata Cichetto, 1958, Araraquara – SP, é poeta, escritor. Criador e editor do Agulha.xyz, e co-fundador da Editora Poetura. Um Livre Pensador.
Contato: (16) 99248-0091

Vômito de Metáforas | A Humana Natureza Que Descobre Curas, Desenha Figuras e Termina Por Criar Ditaduras

Barata Cichetto
Estou no Jardim Silvânia. E estou querendo ir à Ucrânia. Alguém sabe se é perto da Albânia? ...

Vômito de Metáforas | Era Uma Vez Um Luiz Que Nunca Foi Feliz

Barata Cichetto
Entendo merda nenhuma de futebol. Que me parece mongol. Mas entendo de tesouras. Linhas e agulhas. Também ...

Vômito de Metáforas | Hoje é Domingo Que Pede Cachimbo, Mas Não Tem Feira-livre na Ditadura dos Silvas

Barata Cichetto
Imagine um Céu de Brigadeiro. E um pijama de lã de carneiro. Depois esqueça porque nada mais ...

Vômito de Metáforas | No Fim Tudo é Morte ou Acaba em Magia

Barata Cichetto
E agora pergunto o que tem a ver. O que ainda posso viver. Com meu instinto de ...

Vômito de Metáforas | Viver é Tão Engraçado Quanto Ser um Desgraçado Cagando Sentado

Barata Cichetto
A vida até que é engraçada. Quando não é uma desgraçada. Um a gente nada de braçada ...

Vômito de Metáforas | Quero Ver Izaura Soltar Sua Risada e Francisco Gozar Nas Cuecas

Barata Cichetto
Meu avô que era loiro de olhos azuis. Feito o Médice. E o Chico. Também era Francisco ...

Vômito de Metáforas | O Caminho da Morte é o Único Que Eu Ainda Não Percorri

Barata Cichetto
Um dia Raul, o Seixas não o outro das gueixas, disse: "Você me pergunta aonde eu quero ...

Vômito de Metáforas | Deus Não Usa Túnica, Usa Moda Exclusiva e Única. Não Usa Barba Comprida e Faz da Farsa Missão Cumprida

Barata Cichetto
Imagine "se eu morresse amanhã". Conforme escreveu o moleque safado do Azevedo. Mesmo que não fosse de ...

Vômito de Metáforas | Ninguém Acredita, Mas Eu Queria Escrever Coisa Bonita

Barata Cichetto
Eu bem que tento falar de coisa bonita. Mas, ninguém acredita. É só palavra maldita. Que sai ...

Vômito de Metáforas | Que Me Perdoe o Único dos Deuses Vivos: o dos Livros

Barata Cichetto
Todos dias desde que me conheço por gente. Penso na minha morte. Mas a penso de forma ...

Vômito de Metáforas | Eu Nasci a Daqui Dez Mil Anos. E Isso Nem Estava nos Meus Planos

Barata Cichetto
Eu nasci há... Não, não foi “há dez mil anos atrás”, que por si só já é ...

Vômito de Metáforas | Puteiro Não é Lugar de Putaria: (“Em Brasília Dezenove Horas”)

Barata Cichetto
Agora eu atesto. E me manifesto. No meu direito de livre pensador. Contra a tirania do condensador ...

Vômito de Metáforas | Que Sobrevivamos às Regras Morais Para Catar os Espojos do Que Seremos Nunca Mais

Barata Cichetto
Há tempos não sentíamos tanto medo. E não é segredo. Que nos idos de mil novecentos e ...

Vômito de Metáforas | Eu: A Menor Minoria da Terra (*)

Barata Cichetto
Meu problema com o Deus cristão. É pela guerra na Ucrânia. O comunismo da Albânia. E as ...

Vômito de Metáforas | Sou Apenas Um Desgraçado Que Se Acha Um Tanto Engraçado

Barata Cichetto
Quero falar agora sobre quem me atura. E que não é vendedora da Avon ou da Natura ...

Vômito de Metáforas | Democracia à Venda. Na Bacia das Almas

Barata Cichetto
Estou mesmo muito cansado da arrogância dos falsos profetas. E aqueles que aos montes se dizem poetas ...
Assinar
Notificar:
guest

4 Comentários
Mais Recente
Mais Antigo Mais Votado
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários
Luiz Alberto F. dos Santos
Luiz Alberto F. dos Santos
01/06/2024 10:33

Rimas carregadas da contundência característica do nosso poeta Barata! Verdadeiro terremoto mental poético!

Barata Cichetto
Administrador
Responder a  Luiz Alberto F. dos Santos
01/06/2024 16:41

Obrigado, meu caro. Esses textos (foram 100 no total, alguns ainda não publicados) tem mesmo o propósito de serem contundentes. A rima até nem é o elemento maior, mas a forma que achei de pontuar minha narrativa anti-literária.

Genecy de Souza
Genecy de Souza
30/05/2024 20:53

Décadas de pois desse discurso, o que vemos é um processo de parasitismo coletivista, que não nasceu hoje. O indivíduo que pensa segundo suas ideias é, cada vez, mais algo semelhante a um subversivo. Os adeptos de ideologias coletivistas não desistirão de seus objetivos. Os fatos estão aí para provar.

Barata Cichetto
Administrador
Responder a  Genecy de Souza
30/05/2024 21:57

O texto de base inicial, de Pessoa, tem mais de 100 anos. O filme (A Nascente), uns 80. E o que vemos hoje é a conspurcação de todos os ideais humanos que nos trouxeram até aqui, que foram baseados na individualidade. Mas é claro que aos interesses coletivistas (entendendo-se claramente como esquerdistas) não querem isso, afinal o poder e o valor do indivíduo joga por terra – e na merda – todos os seus frágeis argumentos. Precisam mentir para que os preguiçosos acreditem que nada precisam fazer para ter. Porque Papai Estado (a mais nojenta instituição criada) os proverá. E nessa merda toda, quero saber quem (ou o que) sobreviverá.

Conteúdo Protegido. Cópia Proibida!