Vômito de Metáforas | E Agora Penso Como Quem Dança. Que Finita é Minha Esperança

Compartilhe!
Barata Cichetto

Reclamam de mim. Que misturo putaria com política. E até com poesia. E filosofia. Mas pergunto aos leitores incautos. Pacíficos arautos. Da minha destruição. E que antes conste nos autos. Da Constituição. Aos lautos. E aos incautos. Da prostituição. Que sou apenas o poeta. Que chegou agora há pouco na festa. E veio de mãos vazias. Trazendo apenas o que resta. Porque o melhor. O Papa papou. Porque não é Pop. Nem top. É apenas um comunista de batina. De fala cretina. Que no Vaticano. Como um caquético decano. Guarda debaixo do pano. O segredo do plano. Do ditador. Que abençoa Maduro. O Carniça. E qualquer outro ditador. Da Venezuela. Ou Brazilzuela. E qualquer uma aquela. Que lhe for bela. Sem temer a sequela. Da doença maldita. De quem acredita. Na Dona Maldita. Igreja do Senhor. Que cobra penhor. Dos reis papas aos papas reis. Não foi uma nem foram seis. As ditaduras eclesiásticas. Monocromáticas. E sempre simpáticas. Às Ordens monásticas. Tão drásticas. E antipáticas. Então não falo apenas na língua do “P” de política. Porque também é minha crítica. A saga paralítica. Da Igreja Secular. Da regular. E até da Quadrangular. Que pode ser Triangular. E que nunca irá se igualar. A angular. E que tem na flegma. Encurtada na zeugma. O parlatório. No oratório. Do perdedor. Batatas ao vencedor. E baratas ao torcedor. Do time contrário. Apenas um otário. Que pagou caro por sua estupidez. O mesmo injusto pagamento ao reacionário. Que disse ao merda do tal revolucionário. Que o preço é acionário. E que o banqueiro é mais anarquista. Que o tal do artista. Que se diz progressista. E é apenas um alpinista. Que dá entrevista. Quando o assunto é sério. Porque seu maldito critério. Sendo um deletério. É um impropério. — Quero falar de putaria e putagem. Porque putas não agem. Nem reagem. Apenas seguem a viagem. Retocando a maquiagem. Então lembro das loucas. Que não foram poucas. Mas todas eram moucas. Com seus gorros e toucas. Andavam sem qualquer vestimenta. Diante da tormenta. De Inverno. Enquanto eu com meu terno. Me achava terno E até eterno. Diante do aparelho de televisão. Que do mundo ocultava minha visão. E me tirava a previsão. De que um dia eu teria a mundivisão. Eu era um tolo e só queria foder. Enquanto as vadias da esquina da Aurora com a Consolação. Sabiam melhor que eu sobre o poder. E que se eram sujas tinham que feder. Enquanto eu na minha pobre tentação. Pensava apenas em tetas. Bucetas e punhetas. E num jeito de ser dono de mim. E acabar por fim. Como uma espécie de Santo. Que tinha por maior encanto. Ser feito um pastel de feira. De Segunda-feira. Que não fede mas cheira. Sovaco e frieira. Mas no Domingo à noite ainda servem o almoço. Àquele moço. Que se afunda até o pescoço. — Subo agora da Memória a ladeira. E quase caio da cadeira. Quando vejo estampada como numa bandeira. As cores da minha verdadeira. Vaca boiadeira. Que foi minha vida inteira. Tomo agora um Chá-de-Trepadeira. Porque ainda preciso crescer. Antes de me esquecer. Que sou aquilo que posso ser. E antes de merecer. A estátua justa. Conquistada à minha própria custa. Mesmo que seja injusta. Minha armadura vetusta. — Rogo agora aos deuses em quem não acredito. Porque sou um maldito. Ateu bendito. Que achar que o Benedito. É apenas um Santo proscrito. Por ter dito. O que não poderia ser escrito. E eu que não sou nenhum Cristo. Muito menos um Conde de Monte Cristo. E apenas existo. Como um câncer de quisto. Esperando morrer antes do previsto. Porque eu apenas existo. Antes de você nascer. E acha que vencer. É desobedecer. Àquele que te fez nascer. E acredita que um dia iremos todos renascer. Mas enquanto o que deixamos florescer. E aí a antiga pergunta do dramaturgo. Um voraz e autêntico demiurgo. Que nunca morou em Nova Hamburgo. Mas da humanidade virou expurgo. E disse para o mundo ainda tentar entender: Que a questão é ser ou não ser. Porque o nascer. A ninguém pode pertencer. E o desnascer. E o des-crer meu parecer. É apenas o nada. Feito uma granada. Que abre um buraco. No meio da escuridão. — Por fim lembro da vadiagem. Da espionagem. E da minha era libertinagem. E penso que o que construí à minha própria imagem. É apenas uma distorcida miragem. E que sou eu que vivo à margem. Me vendo como numa filmagem. Com o artista escritor que jamais descreve. Sobre aquilo que deve. Numa dívida que nunca prescreve. Como se deve. Então escrevo torto por linhas retas. Faço poemas com rimas incertas. E se assim não comovo. O Ditador Cabeça de Ovo. Que agora e ontem e de novo. Acha que é uma Galinha D’Angola . Que não demora a degola. Do que pede esmola. Na porta da escola. Ao Cristo Redentor. Acusando de criminoso infrator. Todo aquele improvisado. Sujeito mais que visado. Que nunca foi avisado. Sobre seu crime de conduta. Pela Juíza Substituta. Nem pelo filhodeumaputa. Do Ditador. Que estou cansado de rimar com Imperador. E então procuro rimas mais ricas dentro da Ordem Geral da Poesia. E só encontro rimas fodidas. E completamente despidas. De qualquer pudor. Ou outra coisa que rime com dor. E enquanto aguardo. Me resguardo, Porque “porque têm dias que de noite é foda”. Porque o que mesmo me incomoda. Não é tal moda. De não poder incomodar. Nem querer me acomodar. Porque os porcos chanchos. E seus capitães e ganchos. Ao chiqueiro. Ou ao puteiro. Querem me carregar. E quem dera um dia possa chegar. Em que consiga sair deste lugar. Então penso como quem dança. Que finita é minha esperança.

15/05/2024

Barata Cichetto, 1958, Araraquara – SP, é poeta, escritor. Criador e editor do Agulha.xyz, e Livre Pensador.

Vômito de Metáforas | Viver é Tão Engraçado Quanto Ser um Desgraçado Cagando Sentado

Barata Cichetto
A vida até que é engraçada. Quando não é uma desgraçada. Um a gente nada de braçada ...

Vômito de Metáforas | Quero Ver Izaura Soltar Sua Risada e Francisco Gozar Nas Cuecas

Barata Cichetto
Meu avô que era loiro de olhos azuis. Feito o Médice. E o Chico. Também era Francisco ...

Vômito de Metáforas | O Caminho da Morte é o Único Que Eu Ainda Não Percorri

Barata Cichetto
Um dia Raul, o Seixas não o outro das gueixas, disse: "Você me pergunta aonde eu quero ...

Vômito de Metáforas | Deus Não Usa Túnica, Usa Moda Exclusiva e Única. Não Usa Barba Comprida e Faz da Farsa Missão Cumprida

Barata Cichetto
Imagine "se eu morresse amanhã". Conforme escreveu o moleque safado do Azevedo. Mesmo que não fosse de ...

Vômito de Metáforas | Ninguém Acredita, Mas Eu Queria Escrever Coisa Bonita

Barata Cichetto
Eu bem que tento falar de coisa bonita. Mas, ninguém acredita. É só palavra maldita. Que sai ...

Vômito de Metáforas | Que Me Perdoe o Único dos Deuses Vivos: o dos Livros

Barata Cichetto
Todos dias desde que me conheço por gente. Penso na minha morte. Mas a penso de forma ...

Vômito de Metáforas | Eu Nasci a Daqui Dez Mil Anos. E Isso Nem Estava nos Meus Planos

Barata Cichetto
Eu nasci há... Não, não foi “há dez mil anos atrás”, que por si só já é ...

Vômito de Metáforas | Puteiro Não é Lugar de Putaria: (“Em Brasília Dezenove Horas”)

Barata Cichetto
Agora eu atesto. E me manifesto. No meu direito de livre pensador. Contra a tirania do condensador ...

Vômito de Metáforas | Que Sobrevivamos às Regras Morais Para Catar os Espojos do Que Seremos Nunca Mais

Barata Cichetto
Há tempos não sentíamos tanto medo. E não é segredo. Que nos idos de mil novecentos e ...

Vômito de Metáforas | Eu: A Menor Minoria da Terra (*)

Barata Cichetto
Meu problema com o Deus cristão. É pela guerra na Ucrânia. O comunismo da Albânia. E as ...

Vômito de Metáforas | Sou Apenas Um Desgraçado Que Se Acha Um Tanto Engraçado

Barata Cichetto
Quero falar agora sobre quem me atura. E que não é vendedora da Avon ou da Natura ...

Vômito de Metáforas | Democracia à Venda. Na Bacia das Almas

Barata Cichetto
Estou mesmo muito cansado da arrogância dos falsos profetas. E aqueles que aos montes se dizem poetas ...

Vômito de Metáforas | No Quartel de Abrantes, Não Mais Se Constrói o Futuro Como Antes

Barata Cichetto
Dantes. Mas nem tão antes. Haviam professores que escreviam no quadro negro com giz. Hoje tanto eles ...

Vômito de Metáforas | O Barqueiro Anarquista e o Açambarcador Abarcador

Barata Cichetto
Agora preciso fazer outra confissão: sou um açambarcador! Lamento muito dizer, feito um arrependido caçador. Da buceta ...

Vômito de Metáforas | “Aqueles Que Vão Morrer os Saúdam”, Imperadores Eunucos e Assassinos Caducos

Barata Cichetto
Agradeço agora feito o jogador suplente. Aos que foderam minha mente: A vadia crente. A evangélica descrente ...

Vômito de Metáforas | E Agora Penso Como Quem Dança. Que Finita é Minha Esperança

Barata Cichetto
Reclamam de mim. Que misturo putaria com política. E até com poesia. E filosofia. Mas pergunto aos ...

Vômito de Metáforas | Beety Boop. Boop-boop-a-doop: As Aventuras de Uma Cadela Gris

Barata Cichetto
Quero meter. Disse eu a mim mesmo antes de Me Ter. E aí fiquei pensando se quero ...
Assinar
Notificar:
guest

1 Comentário
Mais Recente
Mais Antigo Mais Votado
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários
Olavo Villa Couto
Olavo Villa Couto
28/05/2024 23:51

Nunca existirá a última dança. Porque sempre há de existir a última esperança!

Conteúdo Protegido. Cópia Proibida!