Vômito de Metáforas | “Aqueles Que Vão Morrer os Saúdam”, Imperadores Eunucos e Assassinos Caducos

Compartilhe!
Barata Cichetto

Agradeço agora feito o jogador suplente. Aos que foderam minha mente: A vadia crente. A evangélica descrente. E a nazista descontente. Lembrando que se uma era doente. A outra indecente. E a última ineficiente. Por coeficiente. Inconsciente. Então como posso acreditar num Deus senciente. Que deixa morrer inocente. E crescer a erva indecente. Um Deus doente. Morto antes da existência. E que pela própria incompetência. Tenta ainda convencer a audiência. Que tem a jurisprudência. Ou num falso Deus da Ciência. Para dominar o mundo. Com um jeito rotundo. De nos chupar nosso pescoço nu. E depois nos foder dolorosamente. No meio do cu. E agora. Que me passa a hora. Concluo que o prego. E tudo aquilo que carrego. E não renego. É tudo que eu entrego. Como um cego. Assistindo televisão. Enxergando claramente sua visão. Agradeço agora o emprego. De vendedor de churrasco grego. E o subemprego. Fazendo o papel de borrego. Sou agora eternamente grato. Por me deixarem comer o resto do prato. Com comida de rato. E molho barato. Agradecido sou demais de comer as sobras. Das venenosas cobras. Que queriam me envenenar. Me apequenar. Me enervar. Até o ponto de tentar. Atentar. Contra minha própria existência. E só com muita persistência. Tive a decência. De sobreviver. Porque há muito não chamo mais de viver. Aquilo que levo. Apenas enlevo. E relevo. Tudo aquilo que pode me destruir. De mim usufruir. E assim excluo. Ou destruo. Aquilo que pode me fazer mal. E sobre mim jogar a pá de cal. Não importa se é açúcar ou sal. Mas que não preciso de sufrágio universal. Para manter longe da minha vista. Quem não lê minha revista. Não vê minha entrevista. E que acha que é bom ser comunista. E quem pensa oposto é fascista. Agora não posso esquecer. Também de agradecer. A quem que me fez enlouquecer. Para depois desaparecer. E claro que agradecimentos ainda tenho que fazer. Aos que por puro e perverso prazer. Ou mesmo por alegria ou lazer. Deixaram minha alma se liquefazer. — Mas agora penso que agradecimento. É tão pesado quanto um saco de cimento. Que eu não consigo carregar. Sem escorregar. A beleza do lugar. E pergunto a mim mesmo agora. Se seria mesmo a hora. Ou se ainda me demora. A chegada da Velha Senhora. Talvez seja apenas o ensejo. Antes do cortejo. De ser grato pelo ensejo. De quem suportou meu desejo. Que não foram a crente vadia. A evangélica pouco sadia. Ou a nazista sem moradia. Penso apenas que hoje em dia. A quem eu preciso dar gratidão. Àquelas que com mansidão. Sabiam que não era escravidão. Chupar meu pau na escuridão. A essas tenho sim. Antes do meu fim. Tratar com afeto. Porque outras jogaram um feto. Na privada por decreto. De um inseto. A essas minha gratitude. E que tenham a plenitude. Por meritude. E a essas eu brindo: saúde! Amiúde. Eu queria mesmo poder agradecer meus filhos da puta. Mas a astuta. A imunda crente poluta. Apagou minha luta. E entregou os bastardos. Que não foram abortados. A serem adotados. Pelo maldito Inominável. O ser mais abominável. A pisar sobre esta terra. E que até a mãe enterra. Para poder se eleger. Reeleger. E trieleger. Achando que assim possa absoluto reger. Portanto assim renego. Como se fosse eu um cego. Enxergando na escuridão. A toda essa podridão. Por tudo isso não peço nem aceito perdão. Rumando sem medo para o paredão. Rumando ao nada da imensidão. E que quase tinha me esquecido. De ter agradecido. Por nunca ter pertencido. Ao muito aborrecido. Clã da Família Cichetto e qualquer agregado. Por terem a mim obrigado. A estar desabrigado. E cair embriagado. Por ser expulso do palácio construído. Que foi como o resto destruído. Que fiquem, irmão, pai e mãe que me mataram. Com os tijolos que sobraram. Da minha demolição. E assim dessa forma talvez aprendam alguma boa lição. E agora me despeço. E nada mais lhes peço: Boa viagem aos que ficam. Bons sonhos aos que edificam. Bom consolo aos modificam. E boa morte aos que crucificam. “Aqueles que vão morrer os saúdam”, imperadores eunucos. E assassinos caducos.

15/05/2024

Barata Cichetto, 1958, Araraquara – SP, é poeta, escritor. Criador e editor do Agulha.xyz, e co-fundador da Editora Poetura. Um Livre Pensador.
Contato: (16) 99248-0091

Vômito de Metáforas | A Humana Natureza Que Descobre Curas, Desenha Figuras e Termina Por Criar Ditaduras

Barata Cichetto
Estou no Jardim Silvânia. E estou querendo ir à Ucrânia. Alguém sabe se é perto da Albânia? ...

Vômito de Metáforas | Era Uma Vez Um Luiz Que Nunca Foi Feliz

Barata Cichetto
Entendo merda nenhuma de futebol. Que me parece mongol. Mas entendo de tesouras. Linhas e agulhas. Também ...

Vômito de Metáforas | Hoje é Domingo Que Pede Cachimbo, Mas Não Tem Feira-livre na Ditadura dos Silvas

Barata Cichetto
Imagine um Céu de Brigadeiro. E um pijama de lã de carneiro. Depois esqueça porque nada mais ...

Vômito de Metáforas | No Fim Tudo é Morte ou Acaba em Magia

Barata Cichetto
E agora pergunto o que tem a ver. O que ainda posso viver. Com meu instinto de ...

Vômito de Metáforas | Viver é Tão Engraçado Quanto Ser um Desgraçado Cagando Sentado

Barata Cichetto
A vida até que é engraçada. Quando não é uma desgraçada. Um a gente nada de braçada ...

Vômito de Metáforas | Quero Ver Izaura Soltar Sua Risada e Francisco Gozar Nas Cuecas

Barata Cichetto
Meu avô que era loiro de olhos azuis. Feito o Médice. E o Chico. Também era Francisco ...

Vômito de Metáforas | O Caminho da Morte é o Único Que Eu Ainda Não Percorri

Barata Cichetto
Um dia Raul, o Seixas não o outro das gueixas, disse: "Você me pergunta aonde eu quero ...

Vômito de Metáforas | Deus Não Usa Túnica, Usa Moda Exclusiva e Única. Não Usa Barba Comprida e Faz da Farsa Missão Cumprida

Barata Cichetto
Imagine "se eu morresse amanhã". Conforme escreveu o moleque safado do Azevedo. Mesmo que não fosse de ...

Vômito de Metáforas | Ninguém Acredita, Mas Eu Queria Escrever Coisa Bonita

Barata Cichetto
Eu bem que tento falar de coisa bonita. Mas, ninguém acredita. É só palavra maldita. Que sai ...

Vômito de Metáforas | Que Me Perdoe o Único dos Deuses Vivos: o dos Livros

Barata Cichetto
Todos dias desde que me conheço por gente. Penso na minha morte. Mas a penso de forma ...

Vômito de Metáforas | Eu Nasci a Daqui Dez Mil Anos. E Isso Nem Estava nos Meus Planos

Barata Cichetto
Eu nasci há... Não, não foi “há dez mil anos atrás”, que por si só já é ...

Vômito de Metáforas | Puteiro Não é Lugar de Putaria: (“Em Brasília Dezenove Horas”)

Barata Cichetto
Agora eu atesto. E me manifesto. No meu direito de livre pensador. Contra a tirania do condensador ...

Vômito de Metáforas | Que Sobrevivamos às Regras Morais Para Catar os Espojos do Que Seremos Nunca Mais

Barata Cichetto
Há tempos não sentíamos tanto medo. E não é segredo. Que nos idos de mil novecentos e ...

Vômito de Metáforas | Eu: A Menor Minoria da Terra (*)

Barata Cichetto
Meu problema com o Deus cristão. É pela guerra na Ucrânia. O comunismo da Albânia. E as ...

Vômito de Metáforas | Sou Apenas Um Desgraçado Que Se Acha Um Tanto Engraçado

Barata Cichetto
Quero falar agora sobre quem me atura. E que não é vendedora da Avon ou da Natura ...

Vômito de Metáforas | Democracia à Venda. Na Bacia das Almas

Barata Cichetto
Estou mesmo muito cansado da arrogância dos falsos profetas. E aqueles que aos montes se dizem poetas ...
Assinar
Notificar:
guest

1 Comentário
Mais Recente
Mais Antigo Mais Votado
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários
Luiz Alberto F. dos Santos
Luiz Alberto F. dos Santos
29/05/2024 8:55

Texto direto e contundente, o qual denita uma visão própria e sincera dos que nos rodeia, talvez agradando alguns e escandalizando outros!

Conteúdo Protegido. Cópia Proibida!