A Incrível Barata Que Encolheu

Compartilhe!

Barata Cichetto


— Acorda, K! Acorda, sua barata inútil! Ou pensas que vais passar o resto da sua vida com as patinhas para cima enquanto as contas se acumulam? Levante-se agora!!!

K. resmungou um pouco consigo mesmo, mas já estava acostumado com o tratamento a ele dado, desde aquela manhã em que acordara transformado em um inseto…

Sua monstruosidade aparente, patas pegajosas que podiam escalar paredes e antenas, não era o que fazia com sua família se afastasse dele, mas sim a constatação de que ele, K., a partir daquela manhã fatídica era um ser que, estando além da espécie humana, não podia mais ser controlado. Como advogado K. podia ser controlado por todos as estâncias e células da sociedade humana incluindo ai sua própria família, mas como barata, não.

E a partir daquela hedionda metamorfose, K. conseguira o que qualquer ser humano deseja: era totalmente livre.

Então K. colocou-se em pé sobre suas seis patas, agitou suas antenas e saiu pelas frestas da tela que fora colocada por seu pai em seu quarto com a intenção justamente para impedir a entrada de insetos. Do lado de fora, olhou em direção ao infinito e desapareceu na imensidão.

E desde esse dia, K. nunca mais foi visto.

/2010

Universo Expandido Ou Impressões e Expressões Baratas Sobre o Processo da Metamorfose de Kafka
Registrado no Escritório de Direitos Autorais da Fundação Biblioteca Nacional sob Nº. 6849/10 

Luiz Carlos Giraçol Cichetto, Araraquara, SP, é escritor, poeta e Livre Pensador, um dia acordou de sonhos intranquilos e se transformou em Barata.

Assinar
Notificar:
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Conteúdo Protegido. Cópia Proibida!