A Arca do Barata – Nossos Ídolos e Heróis Ainda São os Mesmos Mas Morreram de Overdose

Barata Cichetto


A paixão por Rock’n’Roll em mim nasceu em 1970, no final. Tinha 12 anos e um amigo de escola que gostava de desenhar e o fazia muito bem. A partir daí conheci Janis Joplin e depois com ela chegaram todos os outros Deuses do Inferno do Rock: Joe Cocker, Stones, Purple e o Rei dos Deuses do Rock: Led Zeppelin. Mas a paixão por Janis e sua angústia em forma de canto nunca deixou minha mente. Janis é a mim a maior representante de uma época de shos e desejos, uma era em que era preciso ter o dom de cantar. Programas de computador, moduladores de estúdios e, enfim, nenhuma parafernália que engana os incautos e transforma gostosas de TV em “cantoras” milionárias. A Arca do Barata singra mares de sonhos e aporta em lugares tão distantes quanto sombrios. A mente não tem limite. Acorda!!! Deixo a seguir um texto de minha autoria escrito especialmente para a primeira edição de A Barata, em 1997.

Janis ainda é uma Deusa, a Deusa Infernal de uma música que perdeu a essência, mas ganhou muito dinheiro. “Meus heróis morreram de overdose, meu inimigos estão no poder.”.“ Nossos ídolos ainda são os mesmos e as aparências não enganam não.” “Você diz que depois deles não apareceu mais ninguém”. E não apareceu mesmo! Há “muita estrela e pouca constelação.” E muita tecnologia para pouca humanidade, muita Internet pra pouca cultura.

10/17/2008

--- Janis, Uma Deusa ---

A imagem pousada na mão de um amigo que a desenhava, em 1970, foi a primeira imagem do Rock, da Liberdade, do Tesão. Janis Joplin tinha acabado de morrer e eu nascia naquele momento. Nunca mais fui o mesmo.

A voz rouca e louca, os cabelos desgrenhados, óculos de aros redondos, ares marotos, sorrisos tristes, mamilos saltando perfurando a blusa, um Porshe decorado. Nunca mais fui o mesmo, nem meus sonhos.

Arthur Crumb, São Francisco, Woodstock, Pearl, Kozmic Blues, Drogas, Sexo, 1969, 1970… O mundo nunca mais foi o mesmo, nem eu , nem meus sonhos…

Hoje, em meu baú de sonhos, esta foto parece muito antiga quanto meus sonhos e tão distante quanto eles. Não sou mais o mesmo…”

5/4/1998

Barata Cichetto, 1958, Araraquara – SP, é poeta, escritor, tem uma arca na cabeça. Criador e Editor do Agulha.xyz e  Livre Pensador.

Compartilhe!
Assinar
Notificar:
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver Todos os Comentários

Conteúdo Protegido. Cópia Proibida!